quarta-feira, maio 30, 2018

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XCIV


The Body And The Self - Cameron Gray


Sigo Transformando,
Sigo Moldando,
Sigo Transbordando,
Eu Sou Expansão
E Cada Fruto Manifesto
Pela Minha Infinita
Moldura Criadora
É O Fato Que Concretiza
O Meu Interior
No Exterior.
Eu Habito No Habitado
Momento Que Aquece
Os Corações Dos Universos,
No Fogo Que Eu Sou
Os Campeões Da
Verdadeira Vida
Dançam Revelados Como
Os Autores De Novos
Mundos Habitados.
Mundos Que Eu
Transformo Com
O Sopro Do Fogo
Que Se Expande.
Mundos Que Eu
Modo Como
Fatores Das Chamas
Que Me Constituem.
Mundos Nos Quais
Eu Transbordo Como
Incessante Fogueira
A Expandir-Se.
Tudo Que É Efêmero
Também
Para Mostrar Aos Que
Podem Saber Quem
Eu Na Verdade Sou
Que Apenas Em Mim
Há A Maestria Que Abre
Cada Grande Portão
Da Verdadeira Imortalidade.
E Eu Estou Além
Da Imortalidade,
Sou Inalcançável Pelos
Mortais Colhidos Em
Ermos Pastor Selvagens
E Me Aproximo Apenas
Daqueles Aos Quais
Revelo O Círculo
Que Nunca Deixará
De Rodopiar
E Se Expandir.
Sou Aquilo Que Vai
Sempre Nascendo
E Aquele Que É
O Nascimento Do Nascer.
A Transformação,
A Moldura,
O Transbordamento:
Isto Tudo Eu Sou
Na Linguagem Humana.
Em Minha Linguagem,
Nenhuma Linguagem Humana
Conseguirá Habitar.




Nenhum comentário: