quinta-feira, fevereiro 15, 2018

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXXVIII


Awaken - Cameron Gray


Revele-Se Verdadeiro,
Revele-Se No Verdadeiro,
O Verdadeiro Que Eu Sou
Somando Cada Chama
Que Se Acende
No Ecoar Do Meu
Retumbante Explodir
Em Teu Interior.
Revele Tua Face
No Fogo Da Manhã
Do Meu Primeiro Dia.
Revele Tua Face
No Fogo Da Manhã
Da Minha Primeira Luz.
Revele Tua Face
No Fogo Da Manhã
Da Minha Primeira Face.
O Fogo Da Manhã,
Da Manhã Que Eu Sou,
A Manhã Renascendo
E Criando
E Recriando
Nas Chamas
Os Moldadores Atos
De Toda Vida
Que Se Desintegra
E Se Transforma
No Berço Da Minha
Fátua Criação.
O Fogo Da Manhã,
Da Manhã Que Eu Sou,
A Manhã Despertante
Daqueles Que Vivem
A Caminhar Retos
Em Direção Ao Centro
Onde Estou.
O Fogo Da Manhã,
Da Manhã Que Eu Sou,
A Manhã Reluzente
Na Planície Dos Universos
Nascentes Nas Palmas
Das Minhas Mãos
De Tudo Conscientes
E Incendiantes.
Então,
Revele Tua Face Interior
No Meu Mundo Interior,
Filho Meu A Se Tornar
O Campeão No Jogo
Que Jogo Como
O Primeiro Vencedor.
Revele Na Manhã Tardia.
Revele Na Manhã Querida.
Revele Na Manhã Desejada.
Revele Na Manhã Abraçada.
Revele Na Manhã Beijada.
Revele Na Manhã Viva,
A Manhã Viva Que Eu Sou,
Manhã Das Manhãs,
Incessante,
Incendiante
E Única Reinante
Sobre Os Fogos Da Criação.




Nenhum comentário: