quarta-feira, abril 12, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXVII


No Matter Where We Dream - Cameron Gray


Nunca Ancore
Tua Embarcação
Na Praia Da Estagnação,
Torna-Te A Chama
Que Logo Ergue
Incêndio Maior
Ao Pleno Tocar
No Meu Coração.
Guia Teu Barco
Pelo Fogo Do Rio
Que Em Mim Arde
Pelo Infinito.
Guia Teu Barco
Pelo Fogo Do Mar
Que Em Mim Transborda
Pelo Infinito.
Guia Teu Barco
Pelo Fogo Do Oceano
Que Em Mim Explode
Pelo Infinito.
Sejas O Rio
Do Fogo Infinito
Do Teu Navegar
Em Mim.
Sejas O Mar
Do Fogo Infinito
Do Teu Nadar
Em Mim.
Sejas O Oceano
Do Fogo Infinito
Do Teu Afogamento
Em Mim.
Tomes O Banho
Das Chamas
Que Faço Descer
Sobre Todo Aquele
Que Se Torna
O Mais Sagrado
De Todos Os Peixes
Nas Labaredas Ardentes
Do Meu Inegável
Ardor Embalador.
Aconchegue-Se Aos Meus
Embalantes Braços
No Fogo Infinito
Da Vestimenta Magna
Do Meu Manifestado
Doutrinante Furor.
Um Peixe,
Filho Do Fogo Que Eu Sou,
Tu Deves Ser
No Grande Labirinto
Das Águas Em Chamas
No Fátuo Nascer
Em Meu Transbordar.
Transborde Fátuo Em Mim.
Transborde Fátuo Em Ti.
Transborde Fátuo No Todo.
Transborde Fátuo No Nada.
Transborde Fátuo,
Filho Do Meu
Nadar
E Afogar.




Nenhum comentário: