segunda-feira, fevereiro 29, 2016

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LI



Na Armadura
Que Te Dou,
Parta Para A Guerra
Que Nunca Cessa:
A Da Busca
Por Mim
No Campo Em Chamas
De Toda A Criação.
Afies Tua Espada
Contra A Desordem Interior
Que Te Afastas
De Mim.
Ergas Teu Escudo
Defendendo-Se
Do Ataque Externo
Que Te Afastas
De Mim.
Mires A Ponta
De Tua Lança
Contra As Barreiras
Que Nos Separam
Entre Os Véus,
Os Céus
E As Terras.
Guerreies Como O Fogo
Que Tu És
Quando Em Mim
Chegas Como
O Que Se Assemelha
Ao Meu Ser.
Guerreies Como Fogo
No Interior
Das Tramas
Do Tempo
E Do Espaço.
Guerreira Como Fogo
Sendo Parte
Das Teias
Do Todo
E Das Realidades.
Guerreies,
O Fogo Que Eu Sou
Arde Dentro De Tua
Fátua Guerreira Alma.
Guerreies,
O Fogo Que Eu Sou
Arde Dentro De Tua
Fátua Guerreira Vontade.
Guerreies,
O Fogo Que Eu Sou
Arde Dentro De Tua
Fátua Guerreira Verdade.
Não
Recues,
Não
Esmoreças,
Não
Deposites Tuas Armas
No Solo Das Inverdades.
O Selo Das Tuas Chamas
Atestam As Minhas Chamas.




Nenhum comentário: