domingo, janeiro 24, 2016

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XLIX



Entre Chamas
Das Mais Brilhantes,
Nos Elevados Atos
De Todas As Esferas,
Nos Caminhos Determinados
Pelo Espaço Maior
Dos Campos Áureos.
Campos Que Dizem
Os Sagrados Nomes
Primeiros
Diante Do Mar Fátuo.
Campos Que Derramam
Suas Existências
Sobre
Outros Amplos Átrios.
Campos Que Expandem
O Vasto Poder
Indeterminável
Dos Pergaminhos Da Minha
Fátua Verdade.
Verdade
Que É A Chama
Volátil.
Verdade
Que É A Chama
Sutil.
Verdade
Que É A Chama
Que Primeiro Foi Acesa
Em Toda A Vastidão
Da Criação.
Verdade
Que É A Chama
Em Todo Coração
Daquele Que Me Chama
Na Canção
Do Fogo
De Uma Verdadeira
Oração.
Filha Minha,
Filho Meu,
No Fogo Ardente
E Amigo Meu
Dentro De Vossos
Corações,
Erguam A Religião
Mais Silenciosa:
A Do Silêncio Fátuo
Que Jamais Mente
E Jamais Engana.
Ore Ao Fogo.
Ore Ao Vosso Fogo.
Ore Em Vosso Coração.
Eu Oro Em Vosso Fogo.
Eu Oro Em Vosso Coração.
Eu Sou Vosso Coração.
Eu Sou Vosso Fogo.
E A Minha Canção
É Entoada Infinitamente
Pela Tua Canção.

Nenhum comentário: