quinta-feira, dezembro 17, 2015

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XLIV




Em Universos
Que Gero
Dentro Do Meu Verbo,
Expando Meu
Ardente Olhar
Sobre O Grande Verso
Da Criação
Que Expando
Como Chama Acalentadora
De Todo
Ativo Coração
Em Mim.
De Universo
A Universo,
Cânticos Vibram
O Meu Nome
Em Chamas.
De Universo
A Universo,
Danças Transmitem
O Meu Ser
Em Chamas.
De Universo
A Universo,
Textos Traduzem
O Meu Fogo
Em Letras Que São
Verdadeiras Chamas
Para
Verdadeiras Almas.
Realizo O Expandir,
Sim,
O Ato,
O Alto,
O Alado Expandir
Da Fátua Consciência
Que Eu Sou.
Nesse Expandir,
Toco
Verdadeiros Corações,
Sussurro
Verdadeiras Orações,
Grito
Verdadeiros Ensinamentos,
Silencio
Para Mais Ensinar
A Todo Aquele Que
Se Faz Uma Chama
Do Fogo Que Eu Sou.
Expando,
Minha Filha,
Meu Filho.
Expando,
Minha Amiga,
Meu Amigo.
Expando,
Eu Sou Um
Me Expandindo,
Minhas Chamas
Vós Sois.

quarta-feira, dezembro 09, 2015

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XLIII



Ao Clamor
Que Vem Dos
Passos Dados
Em Direções
Que Incineram
Caminhos Erráticos,
Ergo Minha Voz
Em Sentenças
Diante Do Arcano
Da Verdade
E Do Amor.
É Da Verdade
Que Está Viva
Em Mim
E É Do Amor
Que Nasce
Em Mim
Que Estou A Falar.
Indefinível
Verdade,
Indefinível
Amor,
Chamas Da Realidade
Em Meu Interior.
Sensata
Verdade,
Sensato
Amor,
Chamas Da Intensidade
Em Meu Exterior.
Inescapável
Verdade,
Inescapável
Amor,
Em Redor
Daqueles Que
Melhor Compreendem
A Verdade
E O Amor
Que A Mortalidade
Jamais Contemplará.
Fátua
Verdade,
Fátuo
Amor,
Veículos Da Eternidade
Manifestando As Minhas
Mais Ardentes
Faces.
Ativa
Verdade,
Ativo
Amor,
No Fogo Automanifestado
Da Minha Presença
Em Cada Interior
Dos Que São
Da Verdade,
Dos Que São
Do Amor.