domingo, agosto 30, 2015

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXXIX




Dentro De Tua Alma,
Eu Te Evoco.
Dentro De Tua Alma,
Eu Te Invoco.
Eu,
O Fogo Da Criação,
Te Evoco Como
A Incinerante Brasa
Que Vós Podeis Ser
E Te Invoco Como
A Sagrada Fogueira
Que A Tudo Pode Consumir.
Queijo Em Tua Coroa,
Em Tua Fronte,
Em Tua Garganta,
Em Teu Coração,
Em Teu Pulmão
E Em Teu Âmago
Imemorial
A Vociferar Nomes
Que Um Dia Foram Nomes
Dentro De Todos Os Vossos
Órgãos Espirituais.
Como O Fogo Que Eu Sou,
Eu Evoco
E Invoco
O Fogo Que Tu És
Para A Manhã
Do Teu Existir
E A Noite
Do Teu Caminhar.
Assemelhe-Se A Cada Uma
Das Minhas Chamas,
Beba
E Se Alimente
De Cada Uma Das Minhas
Eternas Chamas.
Leve-Me Em Vossos Lábios
Como Uma
Permanente Canção
E Louve Minhas Chamas
Nos Sete Caminhos
Da Tua Canção.
E Cantemos Juntos
Na Fátua Orquestra
Cósmica.
E Cantemos Juntos
Entre Os Fátuos Cantores
Cósmicos.
E Cantemos Juntos
A Fim De Sermos Ouvidos
Pelos Filhos Da Música
Cósmica.
Cantemos Na Mesma Chama.
Cantemos Na Mesma Melodia.
Cantemos Na Mesma Harmonia.
Cantemos
Em Unidade.
Cantemos
Em Fátua Verdade.

Nenhum comentário: