domingo, agosto 23, 2015

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXXVIII




Eu Queimo 
A Roda De Mil Rodas 
Que É Tua Coroa. 
Eu Queimo
A Rosa De Mil Pétalas 
Que É Tua Coroa. 
Eu Rondo A 
Coroa Cósmica 
Que Se Apresenta 
Nas Coroas De Todos 
Que Se Fazem 
Governantes Cósmicos. 
Eu Sou 
A Ronda Cósmica, 
O Próprio Fogo Cósmico 
Da Verdadeira Vida, 
Da Verdadeira Vontade, 
Do Verdadeiro Ser 
E Da Verdadeira Existencialidade. 
Quatro Vezes 
Sou Verdadeiro 
Na Raiz E No Tronco 
Da Árvore Sagrada 
Dos Cósmicos Semeadores 
Das Minhas Palavras. 
Aos Que Ainda Estão 
No Ramo Das Árvores 
Ressequidas, 
Eu Dou O Lampejo 
Mais Silencioso 
Na Forma Da Chama 
Mais Harmoniosa. 
Aos Ainda Desencontrados, 
Dispersos 
E Confusos, 
Eu Aqueço Com Chamas 
Que São 
As Mãos, 
Os Pés 
E Os Lábios 
Daqueles Que Sabem Beber 
Do Fogo Que Eu Sou 
Estando Coroados 
Com As Minhas Chamas. 
O Fogo 
Convoca Todo 
Desencontrados. 
O Fogo 
Convoca Todo 
Disperso. 
O Fogo 
Convoca Todo 
Confuso. 
Eu, 
O Fogo, 
Recebo A Todos 
Da Esquerda, 
Da Direita 
E Do Meio. 
Recebo Incinerando.


Nenhum comentário: