segunda-feira, outubro 03, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXV


Sede,

A Sede,

Se Tendes Muita Sede,

Beba-Me.

Fome,

A Fome,

Se Tendes Muita Fome,

Alimenta-Te De Mim.

Sou A Água Viva,

Sou A Comida Viva,

O Fogo Movente

Da Verdadeira Água,

O Fogo Movente

Da Verdadeira Refeição.

Em Mim Estão Os Mistérios

Das Correntes De Fogo

Da Vossa Salvação,

Aguardo Vossa Sede

Por Mim,

Aguardo Vossa Fome

Ser Saciada

Em Mim.

Sou O Que Começa,

Sou O Que Termina,

O Começo Da

Verdadeira Vida,

O Término Da

Sede Amarga,

O Término Da

Fome Ingrata.

Gratifiquem-Se Em Mim,

Espelhem-Se Em Mim,

Sou O Palco Da

Verdadeira Luz,

Aquele Que É

Água Em Chamas,

Aquele Que É

Refeição Em Chamas.

Sou O Ser Da

Verdadeira Senda,

Aquela Fazendo Abrir

Todos Os Oceanos,

Aquele Fazendo Preencher-Se

Todas As Mesas.

Aos Silenciosos Que Estão

Em Chamas

Dou De Beber Da Água Viva

Que Eu Sou,

Dou De Comer Da Refeição Viva

Que Eu Sou.

Iaveh Eu Sou,

El Eu Sou,

Jeová Eu Sou,

O Incêndio Vivo Eu Sou.

Sejam Oceanos Vivos.

Sejam Mesas Vivas.

Beberei De Vossas Águas.

Comerei De Vossa Comida.


Nenhum comentário: