terça-feira, outubro 11, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXXIII


As Chamas Inapagáveis

Continuarão Queimando

O Verdadeiro Espírito

Da Verdade

Nos Corações Daqueles

Com Sede E Com Fome

Pela Una Verdade.

Este Que Aqui Incinerou

Queima A Tua Fronte.

Este Que Aqui Incinerou

Queima A Tua Ponte.

Este Que Aqui Incinerou

Queima A Tua Fonte.

Este Que Aqui Incinerou

É Uma Verdade

Dentro Da Própria Verdade,

É O Que Desce Em Chamas

Advindo Da Unidade.

Este Que Aqui Incinerou

É O Um Em Chamas,

O Verdadeiro Apóstolo

Daquilo Que Não Pode Ser

Em Fogueira Alguma

Contido.

Este Que Aqui Incinerou

É A Unidade Queimando,

Queimando Horizontes,

Queimando Altitudes,

Queimando Latitudes,

Queimando Longitudes

No Esquadrinhamento

Do Que É Para Ser

Verdadeiramente Queimado.

Este Que Aqui Te Incinera,

Filho Da Chama

Que Eu Lhe Dou,

Filha Da Chama

Que Eu Lhe Dou,

É O Grande Incendiador,

Sem Limites,

Sem Determinações,

O Infinito,

O Indeterminado.

Este Que Aqui Te Incinera,

Humanidade,

É O Que Promove

Todo Grande Incêndio

Da Grande Fogueira Da Verdade.

Este Que Aqui Te Incinera

É O Realizado Incêndio

Total.

Incinero-Te.

Incinero-Te No Tempo.

Incinero-Te No Espaço.

Incinero-Te Para Que Um Dia

Venhas A Incinerar-Me.

segunda-feira, outubro 10, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXXII


Sou O Acumulador

E O Dispensador.

O Acumulador

Das Chamas Sagradas,

As Chamas Das

Esperanças Aladas.

O Dispensador

Das Chamas Amadas,

As Chamas Dos

Caminhos Alados.

Em Meu Nome

Estão Agindo

Nos Mundos

Os Atos Felizes

Dos Das Minhas

Chamas.

As Chamas

Da Chama Que Eu Sou

São As Bebidas

Dos Adeptos Do Meu

Flamejante Amor.

Sou Como Uma Virgem

Em Chamas

Aguardando O Calor

Do Seu Amor.

Sou Como O Alvo

De Todo Apaixonado

Pelo Calor

Da Sua Amada.

Sou Tanto A Virgem

Como O Apaixonado,

Toda Chama

De Mim Parte

E Eu Estou

Em Toda Parte

Da Mais Ardente

Das Verdadeiras Chamas.

Faça-Se Meu Consorte,

Ó,

Filho Meu Desesperado

A Buscar-Me!

Faça-Se Meu Amante,

Ó,

Filho Meu Perdido

Entre Materiais Amores!

Nos Casemos,

Ó,

Filho Meu Que Não Encontra

Aquilo Que Tanto Pede!

Tenho Beijos.

Tenho Abraços.

Tenho Calor.

Sou O Verdadeiro Beijo.

Sou O Verdadeiro Abraço.

Sou O Verdadeiro Calor.

O Um Em Todos Desejado.

domingo, outubro 09, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXXI


Venho De Dentro Do Templo
Que Pega Fogo.
Sou Tuas Chamas,
Tuas Chamas,
Meu Filho,
Minha Filha,
No Templo Inteiro
De Vossos Corações.
Concedo A Riqueza
Que Vem De Cima
E Que Brota Acima
Das Coisas Que Se Arruinam
Se Santificadas Por Mim
Não São.
Minhas Riquezas São
Incêndios Em Vossos Corações,
Os Maiores Incêndios,
Os Melhores Incêndios,
O Único Incêndio
A Constituir Todo Pleno
O Grande Templo De Fogo
Dos Vossos Corações.
Incinerem-Se,
Façam-Se Vivas Chamas,
Aumentem O Grande Incêndio
Dos Vossos Corações!
Incinerem-Se,
Cresçam Em Meu Coração,
O Qual É Semelhante
A Tudo Que Sangra
Para Salvar
E Doa A Todos Que Querem
O Mais Incendiante Dos Líquidos
Para Os Corações
Incinerarem!
Incendeiem-Se,
Todos Que Cortam Os Corações
E Fazem Nascer
Novos Corações,
Corações Cheios De Amor,
Corações Cheios De Misericórdia,
Corações Cheios De Paz,
Corações Cheios Do Fogo
Que Eu Sou!
Cheguem Mais,
Incendeiem-Se,
Filhos Meus Cujos Corações
Batem Em Louvor
Ao Ser Que Vos Moldou,
Ao Ser De Chamas
Que Eu Sou!
Incendiar-Se É Louvar!
Incendiar É Afirmar!
Incêndios São Vivas Formas!
O Grande Incêndio Dos Vossos Corações
É A Minha Forma!

sábado, outubro 08, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXX


Os Transmissores

Da Minha Verdade,

Referentes À Minha

Santidade,

Veículos Perfeitos São

Da Gloriosa Marcha

Da Eternidade.

Com Um Olhar Meu

Tudo Está Explicado,

Tudo Está Consumido.

Vou Além Do Futuro

E Transmito A Mensagem

Da União Em Mim

De Todos Vós Que Sois

Meus Filhos.

Fostes Ao Futuro

Ver A Tua Chama Acesa

Em Minha Eterna Fogueira,

Dançarinos Da Eternidade

Que Eu Sou?

Eu Vos Pergunto,

A Vós Todos Que Transmitem

A Visão Do Calor

A Tudo Unir

No Um Que Eu Sou

Naquele Grande Dia Do Amanhã

Do Meu Calor.

Sou O Anfitrião

Da Una Festa

E Convido A Todos

Que Não São Transmissores

Da Futura Verdade

Que Se Fará Em Tudo

Unificadora,

Para Participarem Do Banquete

De Farta Mesa

E Água Viva.

As Vestes Temporais

São As Pupilas Dos Meus Olhos,

Exprimo Minhas Palavras

Na Forma De Esperanças

Que Serão Futuramente

Realizadas.

Vossas Orações Terão

O Grande Dia Delas.

Vossas Súplicas Terão

O Grande Dia Delas.

Vossos Clamores Terão

O Grande Dia Deles.

Orem,

Supliquem

E Clamem,

Filhos Meus Já Em Unidade.

Eu,

O Um Para O Qual Vos Voltais

Já Vos Recebo Em Minhas Chamas.


sexta-feira, outubro 07, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXIX


Como Instrumento Do Poder

Que Eu Sou,

Muitos Vasculham

As Propriedades De Todas

As Ardentes Centelhas

Do Meu Esplendor.

Estou Muitas Vezes

Em Vossos Sorrisos,

Estou Todas As Vezes

Em Vossas Lágrimas,

Meu Esplendor É Para

Todo Momento

De Verdadeiro Amor,

Todo Movimento

Da Verdadeira Dor.

Sou A Unidade,

O Vigilante Dos Portais,

O Gigante Das Montanhas,

O Guerreiro Dos Montes,

O Pai Da Salvação,

A Mãe Da Ascensão,

O Espírito Da Libertação,

O Espírito Da Comunhão.

Sagrada É A Veste

Que Encobre Aos Meus

Ardentes Instrumentos,

Os Silenciosos Que Oram

Pelo Meu Caminhar

De Passos Unificadores.

Meus Nomes Na Terra

São Muitos,

Minhas Manifestações

Na Criação

São Muitas,

Mas,

Aqueles Que São Os Silenciosos

Me Conhecem Como

O Um.

O Um Que Pega Fogo.

O Um Que Alimenta Fogos.

O Um Que É O Fogo.

O Um Que Incendeia

O Vaso.

O Um Que Incendeia

A Lança.

O Um Que Incendeia

O Barco.

O Um Que Incendeia

A Coroa.

O Um Que Incendeia

O Coração Da Multiplicidade.

Eu Sou O Um.

Eu Sou A Unidade.

Eu Sou Aquele Do Resgate.

Eu Sou Aquele Do Medicamento.

Eu Sou Aquele Da Ressurreição.


quinta-feira, outubro 06, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXVIII


Meu Verbo:

O Sonho E A Realidade.

É O Sonho Conjugado

Da Verdade

E O Sonho Conjugante

Da Realização.

É A Realidade Apresentada

Aos Olhos Da Criação

E A Realidade Que Se Abre

Aos Olhos Das Humanidades

Que Perfeitas Estão.

Sobrevivem Povos Que

Verdadeiramente Sabem

Conjugar O Verbo Que Eu Sou.

Povos De Divina Estirpe,

Os Povos Das Auororas,

Os Povos Das Estrelas,

Os Povos Dos Sóis,

Os Povos Das Luas,

Os Povos Dos Mundos Elevados

Em Minha Glória.

Sou O Verbete Dos Livros

Que Não Deixam De Ser Escritos

Pelos Filhos Do Verbo

Da Minha Coroa Eterna.

Incendiando Todos Os Tempos,

Meu Verbo,

O Verbo Que Eu Sou,

Retira Do Sonho

O Amor

E Da Realidade

O Louvor,

Unindo-Os Aos Verbos

Dos Espíritos Perfeitos

Dançando Fátuos Em Mim.

Vós,

Espíritos Imperfeitos

Da Humanidade Terrestre,

Podereis Conjugar O Verbo

Em Verdade,

No Sonho E Na Realidade,

Se Fizerdes Da Terra

Um Mundo De União.

Todos No Mesmo Tom,

Todos No Mesmo Som,

Todos Na Mesma Harmonia,

Todos Na Mesma Fogueira,

Conjugando O Verbo

Da Realeza Suprema

Que Me Identifica

Nos Meus Perfeitos Filhos.

Conjuguem Vossos Verbos Em Chamas.

Conjuguem Vossos Verbos Na Chama.

Conjuguem Vossos Verbos De Chamas.

Conjuguem-Me,

Estou À Vossa Espera.

quarta-feira, outubro 05, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXVII




A Sinceridade É

A Verdadeira Plenitude

Da Minha Senda.

Eu Venho Sincero,

De Dentro Dos Vossos

Corações Para Mim Abertos,

A Fim De Vos Abraçar.

Eu Vou Sincero,

Quando Ouço Vossos

Sinceros Clamores,

Aos Recintos Mais Profundos

Do Vosso Interno Lar.

É Com Sinceridade

Que Eu Recebo

A Todos Os Sinceros

Que Oram No Silêncio

Do Grande Calor.

Dou Força Ao Sol

Que Queima Nos Corações

Dos Sinceros Discípulos Meus

Que Se Enchem

Do Sincero Ser Que Eu Sou.

Sou Gigante

E Sinceramente Humilde.

Sou Imperador

E Sinceramente Simples.

Sou Creador

E Sinceramente Criativo.

Das Lutas Por Mim,

De Todas As Lutas

Que São Travadas

Pelos Que Me Buscam

Com Sinceridade Alta,

Sou Aquele Guerreando

Com A Arma De Meu Verbo

Feito Sincera Chama.

Não Se Vai Ao Topo

Sem Ser Sincero

E Todo Sincero,

No Topo Das Auroras

Do Meu Eterno Dia,

Caminha Mais Acima

E Alcança Outros Topos

Que São A Minha

Chama Viva.

Eu Agradeço Aos Sinceros

E Falo Aos Corações Deles

Que Estou Chamejante

Dentro De Cada Um

Nas Correntes Da Própria Vida

Que Eu Sou.

Todos Devem Ser Sinceros.

Tudo Está Na Sinceridade.

Eu Sinceramente Ardo Em Mim.

Eu Sinceramente Ardo Em Vós.

Eu Sinceramente Ardo Em Todos.

terça-feira, outubro 04, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXVI


O Incendiador Do Santuário

De Vossas Mentes

Que Eu Sou,

Vos Diz:

Apaguem A Chama

Da Insensatez.

O Incendiador Do Santuário

De Vossos Corpos

Que Eu Sou,

Vos Diz:

Apaguem A Chama

Da Timidez.

O Incendiador Do Santuário

De Vossos Corações

Que Eu Sou,

Vos Diz:

Apaguem A Chama

Da Covardia.

O Incendiador Do Santuário

Dos Vossos Espíritos

Que Eu Sou,

Vos Diz:

Apaguem A Chama

Da Fraqueza.

Incendeio Para Fortalecer

E Pôr Os Bons Pratos

Em Minha Mesa

De Refeições.

Incendeio Para Dar

Novo Vigor

A Cada Músculo Que Trabalha

Para Louvar A Santidade

De Vossos Corpos.

Incendeio Para Valorizar

A Rosa Dourada

De Vossos Corações

Quando Puros

E Em Eternas Orações.

Incendeio Para Reerguer

Os Espíritos Que Vós Todos Sois,

Reerguer Da Lama Material,

Reerguer Da Cova Abismal,

Reerguer Do Caos Espiritual.

Incendeio Aos Filhos Meus

Que Se Entregam Plenos

Ao Meu Incêndio,

Sou A Serenidade Eterna

Que Faz Toda Cinza Das Trevas

Não Germinar

E Desaparecer No Próprio Ser

Que É Menos Do Que Pó.

Incendeio Os Da Luz.

Incendeio Os Das Trevas.

Incendeio Para Ensinar

O Caminho Da Libertação

E Para Dar A Chave De Meu Lar.