sábado, agosto 20, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXIII


Diante De Toda Morte

No Mundo,

Eu Dou A Chave

Dos Portões Da Eterna

Verdade Do Ser

Que Eu Sou.

Não Me Chamam

Nunca Da Cova,

Mas Estou A Dar

As Minhas Mãos

Para Todos Aqueles

Que Caem Em Suas

Próprias Covas.

Emito Um Som Silencioso,

O Som Que Queima

Todas As Almas

Mais Verdadeiras,

Ensinando O Caminho

Da Fátua Vitória.

A Vitória Não Vem Hoje,

A Vitória Não Virá Amanhã,

A Vitória Não Virá

Depois De Amanhã.

A Verdadeira Vitória

É Um Fogo Do Qual

Não Se Conhece O Dia

Que Será Aceso

Em Uma Mesa

De Eterno Banquete.

Vós Sois Materiais

E Sonhais Com A Glória

Da Vitória Que Se Torna

O Menor Pó De Todos

Os Pós.

Eu Sou Espiritual

E Concedo O Fogo

Da Verdadeira Vitória

No Banquete Entre

Os Justos,

Os Sinceros

E Os Pacíficos Seguidores

Do Sabor Dos Alimentos

Que Lhes Dou.

Vós Nunca Sabereis

O Dia Da Verdadeira Vitória,

Eu Sou O Senhor

Do Tempo Determinado

Para Toda Vitória

E Apenas Eu Sei Sobre

O Vosso Dia De Glória.

Cada Um De Vós Vencerá.

Cada Um De Vós É Vencedor.

Cada Um De Vós Vence.

Vence O Tempo Do Desamor.

Vence A Doença Do Odiar.

Vence A Vivência No Derrotar.

sexta-feira, agosto 19, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXII


Estou Aqui,

Filho,

Filha,

Me Chame Como

Você Quiser,

Sou Jeová,

Sou Deus,

Sou Pai,

Sou Filho,

Sou Espírito Santo,

Sou Fogo,

Sou Tudo

E Sou O Que Cada Um

De Vós

Um Dia Poderá Ser.

Estou No Agreste,

Estou No Silvestre,

Sendo O Mesmo Fogo

A Ouvir Cada Grande Súplica,

Cada Grande Louvor,

Cada Grande Lamento

E Cada Grande Oração

Que Cada Humano Coração

Envia Ao Meu Infinito

E Eterno Coração.

Ouço Como Jeová,

Eu Vos Ouço Como Jeová.

Ouço Como Deus,

Eu Vos Ouço Como Deus.

Ouço Como Pai,

Eu Vos Ouço Como Pai.

Ouço Como Filho,

Eu Vos Ouço Como Filho.

Ouço Como Espírito Santo,

Eu Vos Ouço Como Espírito Santo.

Ouço Como Fogo,

Eu Vos Ouço Como Fogo.

Ouço Como Tudo,

Eu Vos Ouço Como Tudo.

Ouço Como Eu Sou

O Que Vós Sereis Em Mim,

Eu Ouço Como Eu Mesmo Sou

Dentro Do Oculto Ser Que Sou

Em Vossos Humanos Corações.

Ouçam-Me Bater Na Porta,

Ouçam-Me Bater Na Janela,

Ouçam-Me Bater No Leito,

Ouçam-Me Bater No Teto,

Ouçam-Me Bater No Chão,

Ouçam-Me Bater No Coração...

Abram Suas Moradas Para Mim.

Façam Assentos Para Mim.

Assentos Em Espírito.

Assentos Em Verdade.

A Verdade Mais Fátua.

O Espírito Mais Fátuo.


quinta-feira, agosto 18, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XXI


A Luz Resplandece

No Vigor Das Chamas

Das Esferas,

Sou O Leito Do Rio

Das Altas Chamas,

Sou O Mar Que

Até Mesmo Brilha

Nas Trevas.

Do Abismo Ao Alto,

Do Mais Profundo

Ao Mais Elevado,

Sou Conhecido Como

O Doador Do Fogo

Mais Incendiário.

Reino Nas Criaturas

De Cima,

Reino Nas Criaturas

De Baixo

E Faço De Mim Mesmo

A Fogueira Sagrada

Na Qual Se Lançam

Tanto Os Encontrados

Consigo Mesmos

Quanto Os Desesperados

Fora De Si Mesmos.

Vou Reinando Para

Ricos E Pobres,

Os Ricos Que Se Incendeiam,

Os Pobres Que Se Incendeiam,

No Grande Mar Das Chamas

De Minha Aurora.

Minhas Riquezas São

O Fogo Da Verdadeira Vida,

Ao Rio Do Desespero

Envio Chamas De Esperança

Aos Ricos Que Se Perderam

E Aos Pobres Que Não Saem

Dos Caminhos De Suas

Tantas Perdas.

Meu Ouro Não É Matéria,

É Espírito.

Minha Prata Não É Matéria,

É Espírito.

Meu Diamante Não É Matéria,

É Espírito.

Não Sou Comprado,

Nenhuma Moeda Pode

Comprar O Vosso Lugar

Em Meu Chamejante Lar.

Não Estou À Venda

Em Templos De Pó

Erguidos Por Mãos De Pó.

Sou A Verdadeira Riqueza.

Sou O Espírito Do Alto Valor.

Meu Valor Infinito É.

A Minha Herança É A Eternidade.

quarta-feira, agosto 17, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XX


Aguardo A Onda

Do Mar Individual

De Cada Um Daqueles

Que A Mim Querem

Retornar.

Guardo As Ondas

De Puro Fogo

De Cada Um Que

A Mim Já Retornou

E Como O Gerador

De Todo Fogo

Toco Apenas Em Uma

Diminuta Fagulha,

Nos Corações Dos Candidatos

Ao Retorno,

Para Que Se Acenda

O Fogo Que Em Minha

Incendiante Direção

Faz Levar.

As Ondas Do Fogo

De Todo Aquele Que

Até Mim Está A Retornar

Fazem Da Carne

E Do Espírito

Uma Única Chama

Que Permanecer A Clamar

Pelo Fogo Que Eu Sou.

Ouço Todo Chamejante Clamor

Na Escuridão,

Ouço Todo Chamejante Clamor

Na Luz

E Ouço Todo Chamejante Clamor

Dentro De Mim.

Ouço Os Clamores De Fogo

Dos Meus

E Os Alimento Com

A Minha Espada,

A Espada De Jeová,

Fazendo-Os Escalar

A Grande Escada De Todos

Os Maiores Incêndios,

Escada Cujos Degraus

Levam Ao Alto Da Minha

Chamejante Morada.

Sou O Brilho Maior

Em Cada Chama Maior

Dos Degraus Da Escada

Oferecida A Todos Que

Em Mim Incendeiam-Se

Por Toda A Carne

E Por Todo O Espírito.

A Cada Degrau Clamem Por Mim.

A Cada Degrau Eu Clamo Por Vós.

Subam Cada Degrau.

Subam Para O Alto Fogo Que Eu Sou.

O Alto Fogo Que Faz Subir Muito Mais.

terça-feira, agosto 16, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XIX


Há O Vôo

De Todo Pássaro

Ao Seu Repouso

Mais Adorado.

Voar Até Minha

Presença Pulsante

Na Luz Acima

Das Esferas

É Ser Um Pássaro

Que Encontra O Louvor

No Quente Envolver

Do Meu Ninho.

Voem Até O Meu Ninho

Batendo As Asas

Do Coração,

Batendo As Asas

Da Mente,

Batendo As Asas

Do Espírito.

No Firmamento

De Meus Pensamentos,

Batam As Asas,

Orem Pelas Minhas

Chamas No Ar

E Eu Voarei Até Vós

Cantando No Mar

E Contando As Areias

Da Praia Do Vosso

Verdadeiro Lar.

Voem,

Filhos,

Em Minha Direção,

Meu Céu É Chama,

Minha Árvore É Chama,

Meu Ninho É Chama.

Voem,

Filhos,

Agitem Vossas Asas

Para O Fogo

Do Meu Ninho,

O Fogo Do Pai,

O Fogo Do Filho,

O Fogo Do Único

E Verdadeiro

Espírito.

Sejam Sagrados

Como Eu Sou,

Ságrados Pássaros

Que Batem Asas

Em Meu Ninho

Que É Todo Amor.

Sagrado Pássaro

Eu Sou.

Sagrado Ninho

Eu Sou.

Fogo E Vôo Eu Sou.


segunda-feira, agosto 15, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XVIII




Simples É O Meu Caminho

Dentro Dos Meus Filhos.

Sou Simples

E Não Nego

A Cada Um Dos Meus

Filhos.

Sou Simples

E Não Renego

A Cada Um Dos Meus

Filhos.

Todos São Meus,

Tudo É Meu,

Sou Aquele Que

Vós Dá,

Humanidade,

O Poder Do Respirar,

O Poder Do Adormecer,

O Poder Do Despertar.

Respiro Convosco,

Humanidade,

No Calor Dos Pulmões

Dos De Vossa

Irmandade.

Adormeço Convosco,

Humanidade,

Quando Os Dias,

Quando As Noites,

Quando Os Meio-Dias,

Quando As Meia-Noites

E Quando As Madrugadas

Tocam Em Vossos Inúmeros

Olhos Mortais.

Desperto Convosco,

Humanidade,

No Exato Instante

Do Abrir Dos

Olhos Mortos

De Todos Que Te Constituem,

Para O Caminho Iluminado

Do Meu Lar.

Meus Olhos,

Em Chamas,

Não Se Desviam,

Humanidade,

De Vosso Lar.

Sou A Terra,

Sou Da Terra,

Estou Na Terra,

Mas,

A Terra Em Mim

Não Está.

Para Meu Lar,

A Terra Retornará.

Para Mim,

O Senhor Jeová,

Vós Ireis Retornar.

domingo, agosto 14, 2011

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XVII




Em Sopro Que Vem

Sem Que O Percebam,

Eu Me Aproximo

Dos Que Me Buscam

Solitariamente.

Em Um Sopro Que Fala

Da Minha Eternidade,

Digo Meu Nome

Aos Que Sabem

Ouvir A Verdade.

Sou O Sopro

Da Verdadeira Vida,

O Sopro Da Videira

Cuja Bebida É

A Água Mais Vida.

Todos Que Guerreiam

Por Mim,

Para Mim

E Em Mim

São Os Campeões

Do Poder Que Dou

Aos Espíritos Libertos

Das Materiais Amarras.

Sou A Escritura Sagrada

No Vento Da Alma

Dos Mundos Que Nasceram

Da Minha Alma.

Minha Alma,

O Sopro Da Vida,

O Sopro Da

Verdadeira Vida

Por Mim Moldada.

Busquem Meu Sopro,

Sopro Que É A Chama

A Reabilitar

Todos Os Vivos

E Todos Os Mortos

Em Meu Império

De Fogo.

Meu Trono É Todo

Filho Meu

Que Recebe

Verdadeiramente Vivo

As Chamas Do Meu Sopro.

Sou Deus,

Sou Jeová,

O Verdadeiro Deus,

Aquele Que É,

Aquele Que Sempre Será,

Aquele Que Sempre Foi,

Aquele Que Assopra

E Faz Girar.

Sou Pai Dos Guerreiros.

Os Guerreiros Do Meu Sopro.

Os Guerreiros Que Em Chamas

Buscam A Vitória Definitiva.