sexta-feira, agosto 27, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto VII




Destemidos Me Procuram

Em Vão,

Eu Sou Dos Mansos

E Pacíficos

Que A Mim Chegam

Abrindo Os Portões

Das Cidades De Chamas

De Seus Corações.

Com Destemor

E Brutalidade

Não Me Alcançam.

Com Temor

E Fraqueza

Não Me Alcançam.

Com Orgulho

E Soberba

Não Me Alcançam.

Os Que Me Alcançam

Mergulham No Oceano

De Chamas

Que Eu Sou,

Praticando O Silêncio,

Praticando A Retidão,

Praticando A Solidão.

A Solidão Em Mim

É Povoação

E Iludem-Se Todos

Os Que Pensam Ser

Sozinhos

A Todos Aqueles

Que Me Encontram

Nas Chamas Do

Verdadeiro Caminho.

Nadando Em Silêncio,

Completos,

No Fogo Que Eu Sou,

Não Há Mais

A Carne,

Não Há Mais

A Cinza Da Materialidade.

Em Mim,

Os Que Nadam Encontram

Seu Próprio Espírito

E Compreendem A Missão

Que Lhes Dei

Desde Antes De Serem

O Que Ainda Serão.

São Todos Tranquilos.

São Todos Amáveis.

São Todos Amigos.

São Todos Bons.

São Todos O Que Eu Sou:

Fogo Que Eleva,

Fogo Que Purifica,

Fogo Que Santifica,

Fogo Que Salva.







Nenhum comentário: