terça-feira, agosto 31, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto IX


Avistem Meu Barco

No Mar De Chamas

Universais.

Nadem No Fogo

Do Firmamento Altíssimo

Que Eu Sou.

Vitoriosos,

Nadem,

Em Direção A Mim,

Sou Teu Deus

Abrasador.

As Ondas Do Fogo

Que Vem De Mim

Afugentam A Angústia

E Preparam Armadilhas

Para O Acusador.

O Acusador Diante De Mim

É Uma Criança Rebelde,

Não O Temam,

Ele Apenas Age

Através Da Permissão

Do Fogo Que Eu Sou.

Eu Sou

O Reino Dos Reinos.

Eu Sou

O Juiz Dos Juízes.

Eu Sou

O Governo Dos Governos.

Eu Sou

A Sentença Das Sentenças.

Eu Sou

O Martelo Dos Martelos.

Eu Sou

A Mão Das Mãos.

Eu Sou

A Justiça Dos Justiceiros.

Minhas Chamas Queimam

O Fogo Do Horror

E O Fogo Do Desamor,

Vós Podeis Em Mim

Encontrar O Berço

E O Lar

Do Verdadeiro E Único

Amor.

Colhereis Em Mim

Plantas Da Verdade

E Flores Da Vida

Que Eu Sou

Vos Farão Como

Eu Sou.

As Mudas Descem.

As Raízes Tecem.

Os Troncos Despertam.

As Folhas Ascendem.

Queimo Em Vós Como

A Árvore Da Vida Nascente.







segunda-feira, agosto 30, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto VIII


Fogo Queimando

Nas Searas.

Fogo Queimando

Nas Tiaras.

Fogo Queimando

Nas Coroas.

Fogo Queimando

Nas Atitudes Todas

Dos Caminhos

Que Se Fazem

Os Meus Caminhos.

De Todas As Coisas

Eu Sou O Fogo Primeiro

E Único,

Ativo Incendiador

De Todos Os Rumos.

De Todas As Coisas

Eu Sou O Fogo Consumidor

Das Excelsas Máximas

E Eternas Forças.

De Todas As Coisas

Eu Sou O Fogo Reto

Descendo Como

Torre De Chamas,

Incendiárias Chamas

Do Templo Da Carne

E Do Templo Do Espírito.

Eu Irradio O Alimento

Primeiro

E Sou O Próprio

Eterno Alimento.

Eu Sorvo O Líquido

Primeiro

E Sou O Próprio

Eterno Líquido.

Comam Do Meu Fogo,

Do Fogo Que

Eu Sou.

Bebam Do Meu Fogo,

Do Fogo Que

Eu Sou.

Assemelhem-Se

Às Minhas Chamas

E Dancem Carbonizados

Pelo Meu Amor.

Tornem-Se Cinzas

E De Novo Carne

E Espírito,

Revelando As Obras

Do Incinerante Espírito

Que Eu Sou.

Voltem Em Mim.

Olhem Para Mim.

Sejam Em Mim.

Em Mim,

O Fogo Iniciador.






sexta-feira, agosto 27, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto VII




Destemidos Me Procuram

Em Vão,

Eu Sou Dos Mansos

E Pacíficos

Que A Mim Chegam

Abrindo Os Portões

Das Cidades De Chamas

De Seus Corações.

Com Destemor

E Brutalidade

Não Me Alcançam.

Com Temor

E Fraqueza

Não Me Alcançam.

Com Orgulho

E Soberba

Não Me Alcançam.

Os Que Me Alcançam

Mergulham No Oceano

De Chamas

Que Eu Sou,

Praticando O Silêncio,

Praticando A Retidão,

Praticando A Solidão.

A Solidão Em Mim

É Povoação

E Iludem-Se Todos

Os Que Pensam Ser

Sozinhos

A Todos Aqueles

Que Me Encontram

Nas Chamas Do

Verdadeiro Caminho.

Nadando Em Silêncio,

Completos,

No Fogo Que Eu Sou,

Não Há Mais

A Carne,

Não Há Mais

A Cinza Da Materialidade.

Em Mim,

Os Que Nadam Encontram

Seu Próprio Espírito

E Compreendem A Missão

Que Lhes Dei

Desde Antes De Serem

O Que Ainda Serão.

São Todos Tranquilos.

São Todos Amáveis.

São Todos Amigos.

São Todos Bons.

São Todos O Que Eu Sou:

Fogo Que Eleva,

Fogo Que Purifica,

Fogo Que Santifica,

Fogo Que Salva.







quinta-feira, agosto 26, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto VI


Vibrações No Ar

Indicam Sempre

Que Eu Permaneço

Como Sou.

Vibrações No Mar

Indicam Sempre

Duas Vezes

Que Eu Permaneço

Como Sou.

Vibrações Na Terra

Indicam Sempre

Três Vezes

Que Eu Permaneço

Como Sou.

Vibrações No Éter

Indicam Sempre

Quatro Vezes

Que Eu Permaneço

Como Sou.

Vibrações No Fogo

Indicam Sempre

Cinco Vezes

Que Eu Permaneço

Como Sou.

As Vibrações

São Invisíveis Fogos,

Sopros De Calor

Dos Meus Pulmões,

Que São As Coisas

Que Presentes Estão

Em Toda Natureza.

Eu Vibro Em Vós

Como O Ramalhete

Cheio De Chamas

Que Cresce Na

Ondulação Das Ondas

Do Vosso Coração.

Eu Vibro,

Vibro Voando

Em Direção

Ao Repouso Desconhecido

Por Vós,

O Mais Profundo,

De Vosso Coração.

Eu Vibro,

Soprando Chamas

Em Direção

Aos Caminhos Todos

Das Estradas

De Vossos Corações.

Eu Vibro Como O Fogo

Que Eu Sou.

Eu Sopro Como O Fogo

Que Eu Sou.

Eu Sopro O Sopro De Fogo

Que Te Dá Calor.








quarta-feira, agosto 25, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto V


Se Grande É A Vossa

Tribulação,

Segure-Se Em Minhas

Chamas

E Cante

E Bata Palmas

E Sorria,

Vosso Creador

Vos Ampara.

Não Estou Distante,

Eu Estou Dentro

De Vossos Divinos

Rompantes,

Batendo À Porta

De Vossos Recintos

Cheios De Glórias,

Desejando Louvores

De Novos Fogos

Em Cada Um De Vossos

Passos.

Entrego-Me A Vós

Como Fogo Consolador,

Chorosos Da Terra,

Enquanto Eu Estiver

À Frente De Vossas

Muitas Lágrimas,

Nada De Adversários

Terão O Poder

De Movimentar

Sequer Uma Chama

Dos Falsos Fogos

Deles.

Eu Reino

Como O Fogo

Do Poder Sagrado

Da Cura De Todas

As Lepras

E Cânceres.

Eu Reino

Como O Fogo

Que Medica Cada

Gota De Sofrimento

E Lástima.

Eu Reino

Como O Deus

Que É Verdadeiro,

Como O Único

Verdadeiro Fogo,

E Não Sou Feito

De Lama

Ou De Barro.

Eu Sou Feito De Fogo.

Eu Sou A Feitura Do Fogo.

Eu Sou

Vosso Deus,

Vosso Fogo.








terça-feira, agosto 24, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto IV


Em Partos Concretizo

A Realidade Da Existência,

Extinguo A Nulidade

E Exalto

A Verbalidade.

Sou Verbo De Fogo

E Conjugo-Me

O Prato Principal

De Todos Aqueles

Que Se Alimentam

Do Fogo Que Eu Sou.

Estou Descendo Neles

E Ascendendo

Junto Com Eles

Ao Reino De Chamas

Que Eu Sou.

Pai Me Chamam

E Pai Em Chamas

Eu Sou.

Filho Me Chamam

E Filho Em Chamas

Eu Sou.

Espírito Santo Me Chama

E Espírito Santo

Em Chamas

Eu Sou.

Rodeio A Circunspecção

De Todas As Almas,

Acendendo Três Vezes

As Três Chamam

Que Apagam O Poder

Das Trevas.

Dou Luzes De Chamas

Aos Corações

Em Rosas Perpétuas,

Pois Eu Sou

A Rosa Do Verdadeiro Fogo

Das Esferas.

A Todos Vós

Concedo A Relíquia

Do Tesouro Da Vida

Nas Fagulhas Da Fogueira

Do Fogo Da Vida.

Não Simulo,

Não Finjo,

Eu Sou O Verdadeiro Fogo,

O Espanto Para

Os Desencaminhados,

A Riqueza Para

Os Libertos.

Incendeio Como Pai.

Incendeio Como Filho.

Incendeio Como Espírito Santo.

Eu Sou O Incêndio Vivo.

Eu Sou O Fogo Invencível.








segunda-feira, agosto 23, 2010

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto III


Dos Dias Vem

A Luta Das Chamas,

O Vagalhão Das Esperanças,

O Céu Das Grandes Danças.

Sou O Capítulo

Do Grande Livro Do Infinito

Que Nunca Termina

E Ressoando Nos Textos

Dos Livros Das Vidas

Estou Como A Chama

Da Mais Pura

Ida Cristalina.

Eu Aqueço

Os Corações Dos Solos,

Minhas Mãos

Fazem Nascer Sementes

De Dias Novos

E Os Meus Pés

Abençoam As Novas

Formas Saborosas.

Meu Sabor Abrasa,

Degustado Quero Ser

Por Vós

Em Senda Rara,

Alta Senda

Da Alta Escada.

Mordam Os Meus Frutos

E Acrescentem Chamas

Na Salada.

Bebam Do Meu Suco

E Plantem Sementes

Na Sala.

Entrem Na Sala,

Acendam As Velas

E Envolvam

As Chamas Delas

Com Vossas Almas.

Me Chamem

Nesta Hora Sagrada,

Eu Sou O Incendiador

De Vossas Almas

E Quero Ser

O Oceando De Fogo

No Qual Nadarei

Em Toda Glória.

Sou Vosso Creador,

Vosso Eterno Incinerador,

Dotado Do Poder

De Apagar

E Acender.

Apaguem Suas Mágoas.

Apaguem Suas Realezas.

Apaguem Suas Dores.

Apaguem Suas Cores.

Deixem-Me Incinerar De Poder

As Vossas Almas.