quarta-feira, setembro 24, 2008

Nuvens Que Não Permanecem Eternas


 

Veja

Veja Toda Nuvem

Que Não Permanece

 

Um Anjo

Chora

 

Veja

Veja A Passagem

Das Nuvens Tolas

 

Um Anjo

Sorri

 

Veja

Veja A Chuva Indo

Embora Daqui

 

Um Anjo

Canta

 

Veja

Veja A Tempestade

Que Não É Duradoura

 

Um Anjo

Ora

 

Veja

Veja A Nuvem

Mais Alta Lá

 

Um Anjo

Adormece

 

Veja

Veja A Nuvem

Mais Alta Aqui

 

Os Anjos

Podem Descer

 

Os Anjos

Podem Cair

 

Os Anjos

Podem Ascender

 

Os Anjos

Podem Retornar

 

Eu Sou Anjo

Eu Caio

Eu Ascendo

Eu Desço

Eu Retorno

 

Ah

Qual É A Coragem

Da Harpa Tocada

Diante Das Nuvens

Que Não Permanecem

Eternas?

 

A Resposta

Eu Deixo Ser Levada

Pela Nuvem Do Meu

Ontem

 

A Solução

É Não Eternizar-Me

Na Nuvem Que Parou

De Passar

 

Toda Nuvem

Deve Passar

 

Eu Devo Passar

E Chover Em Mim Mesmo

Acertando-Me Com As Coisas

Do Alto Lar

 

 

Nesta Viagem de volta ao Útero De Gaia, dou um olhar  demorado por sobre a Humanidade.

Vejo também os Anjos Elevados.

Vejo também os Anjos Caídos.

Vejo também os Demônios.

Vejo também as  categorias todas de Seres que caminham no Planeta Terra.

Eles olham sempre para as nuvens de qualquer Horizonte.

Eles olham sempre, aguardando uma chuva de potenciais mudanças ou uma milagrosa chegada de novas formas.

Eu também admirava toda nuvem lá no Alto.

Eu também admirava toda nuvem aqui no Baixo.

Admirava e me esquecia da Efemeridade, me esquecia de que Inominável Ser Deve Saber Fazer-Se Passar Como Toda Nuvem Que Não Permanece Eterna.

Fui um gigante de ilusões antigamente, mesmo batendo minhas asas nos Altos Horizontes Da Criação.

Fui um anão como estes anões todos que daqui, daqui que é O Plano Entre Os Planos, estou a observar.

Eu podia ter piedade deles, mas não tenho...

Eu tive piedade de mim mesmo, mas agora não mais tenho...

Escolhi nuvens que não passaram.

Eles escolhem nuvens que não passam.

As Nuvens Eternas: Mentira Concreta.

As Nuvens Mutáveis: Verdade Completa.

Mudou o Horizonte, eu resgato toda experiência minha nas Chuvas Mutáveis do meu Ser.

Mudanças, Mais Mudanças, Todas As Mudanças, e os seres humanos e os demais Seres que são cegos, neste mundo, não Vêem...

A Terrível Fome É Uma Chuva Que Cai Das Nuvens Que Permanecem Acima Da Humanidade...

A Terrível Morte É Uma Chuva Que Cai Das Nuvens Que Permanecem Acima Da Humanidade...

A Terrível Peste É Uma Chuva Que Cai Das Nuvens Que Permanecem Acima Da Humanidade...

A Terrível Guerra É Uma Chuva Que Cai Das Nuvens Que Permanecem Acima Da Humanidade...

A Guerra Que Ocorre Possui As Suas Nuvens Que Não Permanecem E Jorram Na Matéria As Suas Propriedades...

Minha Missão não é demonstrar toda Nuvem Permanente.

Minha Missão Não é derrubar toda Nuvem Tornada Eterna.

A Minha Missão Como Líder Dos Onze É Tornar-Me E A Eles Nuvens Que Não permanecem.

Os Inomináveis Não Buscam Glórias Vazias.

Os Inomináveis Não Buscam Glórias Preeenchidas.

Os Inomináveis Buscam Apenas Ser Nuvens Que Não Permanecem.

Sou Uma Nuvem Que Não Permanece.

E não devo lamentar pelos que Permanecem.

Devo Guerrear junto dos que Não Permanecem.

Não é agora, nesta época da Humanidade, que as Nuvens Permanentes poderão ser Nuvens Não-Permanentes.

Agora É O Tempo Da Chuva De Todas As Atrasantes Permanências.

 

 

 

 

 

 

sábado, setembro 20, 2008

Rebater As Asas


- Nenhum Ser É Um Herói No Tecido Das Coisas E Dos Acontecimentos Que Se Expandem Pelo Solo Da Criação, Mestre Jesus, Nenhum Ser Diante Do Calor Da Manhã Selvagem, Nenhum Ser Diante Do Calor Da Tarde Serenata, Nenhum Ser Diante Do Calor Da Noite Ardorosa. Sempre me manifesttei a favor da falta de honra para Verdadeiramente Ser e a honra, A Verdadeira Honra, vai sendo construida pelos Seres à medida que seus pés sabiamente marcham pelas Terras Da Criação. Eu guerreio desde O Alto contra isso e me Via, lá mesmo nos Braços Do Um Em Inominável Estância, como Perfeito, como Honrado, como fiel a um heroísmo que hoje, neste hoje diante de Vós, Mestre Jesus, admito ter sido um pensamento no Pensamento de alguém fadado a cair. Os Seres São Vilões Para Si Mesmo ao Se Verem Como Heróis, Mestre Jesus, Vilões Que Se Cegam Pela Fruidade Da Crença Em Atos Heróicos Que Apenas São Névoas Terríveis Da Ilusão Da Supremacia De Todas As Coisas Mutáveis. Eu, eu aqui chorando diante de Vós, Mestre Jesus... Eu fiquei aqui, diante de Vós, chorando... Chorando e pescando meus lamentos estrondosamente impossibilitadores de não mais me valorizar como Alguém com Algo que possa ser O Mais Alguém e O Mais Algo... As tolices minhas são como correntes de rios mortos nas doutrinas de desertos áridos... Fui um deserto árido, nas areias pesquei as restaurações dos meus ilusórios momentos de Ver-Me como Herói... Herói, Mestre Jesus... Heróis... Que Heróis Existem Diante Da Carnificina Da Luz Que Aborta Todos Os Vôos Das Asas Que Mais Querem Alcançar O Alto? Que Heróis Existem Se A Fileira Das Guerras Pela Existencialidade São Desvalorizadas Pela Visão Do Impacto Material Das Efemeridades Que Devem Servir De Alimento E Não Serem Servas De Todos Os Alimentos? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Aqui Se Fazem Diante De Nosos Olhares Espirituais Tão Dignos Da Capa E Da Espada, Do Elmo E Do Escudo, Da Armadura E Do Olhar Derrubadores De Todos Os Obstáculos E Todos Os Muros? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Seguem As Colheitas Dos Campos Elíseos Da Verdadeira Verdadeira Se Dirigindo Ao Um Como Senhores Das Suas Internas Propriedades Purificadas De Todo Senso De Material Valor? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Estão Ricamente Revestidos Pela Alta Luz Que Infinitiza Demasiadamente Os Que Verdadeiramente Tolhidos São Pelo Ancoradouro Do Um? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Julgam-Se Danosos Antes De Se Julgarem Preciosos? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Julgam-Se Fracassados Antes De Se Julgarem Eternos Vencedores De Tudo Que Contrário É Aos Alvoreceres De Suas Existencialidades? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Sentem Quedas Várias Ao Invés De Elevações Intensificadoras De suas Vaidades? Que Heróis, Que Heróis, Mestre Jesus, Vivenciam As Trevas E O Abismo, Os Infernos E O Caos, Antes De Se Dizerem Realizados Pelas Forças Altas? Eu, Mestre Jesus, Colho No Bater De Minhas Asas Noturnas Inomináveis Cada Percalço De Ensinamentos Que Me São Doados Pelos Infernos Existenciais, Pelos Abismos Existenciais, Pelas Trevas Existenciais, Pelo Caos Existencial Da Realidade Da Criação Que É Feita Apenas De Efêmeros Seres Que Devem Aprender A Alcançar Primeiramente A Roda Das Rosas Terríveis Antes Da Rosa Que Gira Abrasadora E Arrasadora Das Aniquilações Materiais! Antes Da Rosa Dos Bem-Aventurados, Mestre Jesus, Aprendi Em Minha Queda, Aprendo Em Minha Queda, Aprenderei Sempre Em Minha Queda Que Todas As Rotas Que Não Passam Pelo Esgoto Material E Que Deste Não Pescam Lições De Águas Repletas De Infinitos Tesouros São Rotas Retiradas Do Grande Livro Da Vida Eterna E Do Grande Livro Da Morte Eterna De Todos Os Elementos Da Separatividade! As Estrelas Cantam Canções De Poder Receptivas Das Auras Das Trevas Que Ressoam Ensinantes De Verdadeiros E Melhores Caminhos Nas Luzes... As Estrelas Cantam Canções No Abismo Que Encantam Os Embrutecidos E Os Degenerados, Fazendo Com Que Os Excluidos De Todos Os Livros Possam Repousar De Suas Trajetórias Nos Recantos Do Um... As Estrelas Cantam Canções De Poder Abençoado No Caos, As Confusões São Respondidas Com Soluções, As Convulsões São Recebidas Com Sorrisos De Agradecimentos, As Estranhas Jogadas São Feitas Com Alegres Risadas... As Estrelas Cantam Canções De Pacificações Nos Infernos, Demônios E Aqueles Todos Que Governam Os Demônios Ajoelham-Se Acima De Seus Tormentos E Devaneios E Se Sentem No Um Porque NENHUM SER ESTÁ FORA DO UM PORQUE O UM NÃO É HERÓI E NEM É VILÃO E É APENAS TODOS NÓS QUE NOS FAZEMOS HONRADOS NA PEDRA, NO FOGO, NA AREIA, NO DESERTO E NO MAR DE NOSSAS INTERIORES E EXTERIORES EXISTENCIALIDADES!!! Pesquei novamente a mim mesmo, aqui, Mestre Jesus, em Vossa Amada Morada, em Vosso Amado Lar, Um Lar No Qual Um Dia Todos Desta Terra Conhecerão. No Grande Dia Do Amanhã, Grande Dia Sem Nomes, Grande Dia Sem Títulos, Grande Dia Sem Diferenciações, Mestre Jesus, Eu Vejo Que Aqui Nesta Vossa Morada Todos Beberão De Vosso Chá E Nadarão Uníssonos Em Vosso Mar, Desde Os Que Hoje São Os Mais Impuros Dos Seres Até Os Que São Os Mais Puros Dos Seres.

- Quer beber mais deste chá, Irmão Asin?

- Não, Mestre Jesus, muito obrigado, Já Fui Pescado Por Mim Mesmo E Nada Mais Me Obriga A Beber O Que Já Bebi De Mim Mesmo.

- Sigas Tua Praia, Sigas Teu Mar, Irmão Asin, Sei que tu agora daqui partirás.

- Partirei, Mestre Jesus, e assim me despeço do Senhor...


Eu me aproximo do Grande Ser, com respeito e calor. Meus lábios se direcionam aos lábios Dele e o beijo é a minha despedida, um beijo, Puro Beijo Entre Irmãos Do Alto. Eu ainda deixo cair uma lágrima ao abraçá-Lo...


- A Pesca...

- Silêncio agora, Asin, Todo Verdadeiro Pescador Deve Saber Amarrar Bem Silenciosamente A Sua Interna Rede De Pescar.


Eu dou-Lhe as costas e caminho.

Sim, eu caminho.

Caminho.

Caminho...

Pesquei...

Pesquei...

Pesquei...

Realizei O Meu Maior Nado No Grande Mar!

Realizei O Meu Grande Nado No Grande Mar!

Realizei O Meu Pescar A Mim Mesmo No Grande Mar!

Realizei...

Meus passos são agora fora do Tempo...

Meus passos são agora fora do Espaço...

O que o Mestre Jesus me ensinou ao não me aconselhar...

Ah, eu devo me silenciar!

Devo me silenciar!

Me Silenciar!

Os Nados Do Silêncio Formam Meu Grande Mar...

Eu não queria a isso perceber...

Eu não queria a isso fazer surgir...

Eu não queria...

Asas minhas!

Asas minhas!

Asas minhas!

Os Onze Agora Podem Pescar!

Os Onze Agora Podem Nadar!

E Eu Agora Sou O Meu Próprio Mestre Pescador!

E Eu Agora Vou Pescar!

Pescar No Silêncio Do Inominável Grande Mar Que Os Inomináveis São!

Pescar No Silêncio Do Inomínável Grande Mar Que Os Onze São!

A Minha Honra Agora Verdadeiramente Inicia-Se Na Criação!