quarta-feira, julho 30, 2008

A Sagrada Pesca Em Infinitas Sagradas Ondas - Parte X


_ Somos O Solo Dos Nossos Internos Pais, Asin, Seres Amantes Do Verdadeiro Amor Que Jaz Em Nós. Para Ser O Que Sou, Este Que Se Prontifica A Olhar Para Todos Os Seres Sem Exceções, Sem Preconceitos, É Necessário Ter O Alto Amor Do Pescador Que Sabe Verdadeiramente Lançar A Sua Rede Em Um Grande Revolto Mar. A Humanidade, esta Humanidade, periga de se tornar a ceifadora de suas Ondas Maiores, Ondas que ainda correm em Seu Seio, pois há aqueles que, humanamente, lutam pelo Servir Ao Alto. E o que é O Servir Ao Alto, Asin? O que é isso que faz com que alguns seres humanos se dêem inteira e completamente a causas que soam risíveis aos olhos de outros seres humanos, Asin? O que é o ímpeto dos caridosos diante dos sofrimentos dos adoentados, dos marginalizados, dos aprisionados, dos viciados em drogas, dos viciados em bebidas alcóolicas, seres que se autodestroem, Asin? Essa Onda toda não é nova, não é uma recente notícia, é uma Antiga Força desconsiderada pelos seres humanos. Quando tu falas, Irmão Inominável, em desistires de tua Nova Caminahda, penso nos peixes afogados em mares de angustiantes dúvidas acerca do nadar correto no Correto Mar. Não ensinei A Caridade, Eu Não Sou A Caridade, Eu Sou O Coração Sangrado Que Mostra A Senda Da Caridade. A Minha Espada, Asin, Corta Pela Espada Dos Caridosos, Sou Da Fruta Colhida Na Nadante Erva Da Manhã E Meu Semblante É O Rochedo Que Traz O Solo Do Amanhã. Se contigo falo para que não desisitas, não estou a interferir em vosso livre-arbítrio e nem estou a insistir que sigas em frente, tu podes parar, tu podes continuar, faças de teus pés os teus caridosos instantes de decisões maiores e melhores, as decisões mais acertadas, as decisões mais pensadas como as formadoras do vosso Alto Adormecer. Tu podes Adormecer, Asin, Adormecer na inércia, como queres, assim tão decidido a entregar-te ao esquecimento. Que tu escolhar O Grande Esquecimento, não posso interferir. Que tu te recolhas aos Braços Do Grande Esquecimento, não vou interferir. Que tu alcances a Infinitude Do Grande Esquecimento, não vou interferir. Nada impeço-te de realizar, se é assim que a tua Vontade, ainda uma Celestial Vontade Alta, lhe pede e lhe faz mais pedir, Asin. Não Sou O Cordeiro Que Ataca E Nem O Cordeiro Que Salva, Eu Sou O Sacrifício Ensinado A Todos Que Querem Compreender O Verdadeiro Cósmico Aprendizado. Eu Ouço Tua Alma, Teu Ser, Asin, Assim Como A De Toda Criatura A Nadar Na Esfera De Vida Terrestre Como Em Um Mar De Obrigatórias Ondas A Serem Por Todos Os Recantos Despejadas. Me admiro com a finíssima forma de cada criatura, criatura livre, não sou o tirano que obriga, Sou O Irmão Mais Velho Que Aconselha Almas Partidas. Tua Alma está Partida, Asin Du An No In. Tua Fé está Partida, Asin Du An No In. Mas, a tua Futura Glória, não está Partida, Asin Du An No In.