sexta-feira, maio 23, 2008

A Sagrada Pesca Em Infinitas Sagradas Ondas - Parte VIII


- Revelar-Me No espelho Das Coisas, Mestre Jesus, É A Meta Dourada Que Insinua-Se Ainda Em Mim, mesmo com as batidas várias e cansadas das minhas Quedantes Asas. Justifico meu enfraquecimento nos simples emolduramentos todos de meus envolvimentos frágeis com o Eu Que Me Perde, O Eu Perdido Meu. Mestre Jesus, Como Busquei Plantar A Cerejeira Perfeita E Colhi A Envenenada Roupagem Da Quedante Terra! Como, Como, Como, Gritei Na Terrestre Escuridão Pelos Meus Altos Vôos E Perperdincularmente Cai Nas Origens Tumultuadas Do Meu Quedante Caminhar! Como, Como, Como, Mestre Jesus... As Altas Músicas... As Altas Músicas... As Altas Músicas... Tudo Era Em Mim A Canção Do Zênite Infinito Das Eternidades Em Uníssono Com As Velocidades Infinitas Da Unidade. No Um, Lá No Um, Aqui No Um... Toda Criatura, Toda Creatura, Está No Um, A Perfeita Música Da Existencialidade Explanada Nas Centelhas De Essencialidades Todas Internas...

- Quando Tu cantas Ontem, Asin, O Hoje Esclarece A Viagem Das Essencialidades Nas Estradas Inomináveis. Tu Compreendes As Estradas Inomináveis, Nada É Facilitado, Tudo É Ainda Mais Dificultado. A Qualidade É Grande No Que De Pequeno Se Pode Escrever A Cada Onda Grandiosa Das Pequenas Marés Do Grande Mar. Homens E Crianças Podem Ser O Centro Das Esperanças, As Mulheres São As Estrelas Longas Da Eternidade, As Humanidades Ainda Não Compreendem Isto. Por Fazer-Me Cordeiro Sacrificado Exaltei A Corte Dos Vencedores Da Verdadeira Vida, Asin, Os Vencedores Que Governam Os Impérios Que Instigam Todos Os Vencedores De Si Mesmos E Das Agruras Da Material Existencialidade. Expulsando O Horizonte Das Dúvidas, Digo Que Cantei Mais Alto As Glórias Do Alto, Asin, Com A Humildade Minha Toda Nascida Das Atitudes Existenciais Do Meu Material Caminhar. Muitos Me Chamam De Mestre Jesus, Asin, mas Não Sabem O Que É Saber Ser Mestre E Nem Sabem O Que É Saber Quem Eu Sou. Não Sou O Gigante Distante Das Humanas Montanhas, A Cada Humana Montanha Estou Sentado E Aguardando A Um Da Humanidade Que Me Busque Com Sua Própria Fé E Não As Das Religiões Humanas Que Nada Representam O Alto. Não Sou O Protesto E Nem A Eucaristia Da Inutilidade Das Vazias Palavras Que Nunca Foram Minhas. Sou Cuspido, Sou Vomitado, Sou Escarrado, Mas Nenhum Daqueles Que Diz Saber De Mim Sabe Dizer Quem Eu Sou. Pássaro Morto, Pássaro Vivo, Sou O Infante Ferido E O Infante Renascido. Parábolas De Eternas Virtudes, Isto É O Que Conto A Ti Em Linguagem De Anjos Elevados E De Anjos Caídos, Asin. As Humanidades Baixas, a Humanidade Terrestre, Ainda Necessita Das Palavras Dos Meus Irmãos Crísticos, A Fonte De Poder Crística Ainda Precisa Repousar Todo Seu Sangue Nas Veias Dos Mundos Do Baixo. Vós, Asin, Precisa Apenas Bater Bem Mais Alto As Tuas Asas.

- Se eu sou um pequeno mendigo diante de Ti, Mestre Jesus, minhas Asas não podem Bater Bem Mais Altas Do Que As Tuas...

- Podem, Pesques A Onda Das Asas Que Não Cairão.

- Ondas Distantes Da Minha Rede...

- Nenhuma Onda Está Distante Das Redes Dos Verdadeiros Pescadores De Almas, Asin. Lance A Tua Rede E Todos Os Peixes Que Tiverdes De Colher Serão Colhidos.

- Tu não me ajudas, Mestre Jesus, assim... Quero parar... Quero parar de Bater As Minhas Asas...

- Tu viestes aqui para falar da Caminhada Dos Onze, Asin, não do teu Desistir De Bater As Tuas Asas.

- Não Há A Posse Em Mim...

- O Poço Em Ti Ainda Pode Ressurgir Como Alto Mar, Asin.

- Não, Meu Abismo Interior É Apenas Baixa Queda De Baixas Quedas...

- É A Partir Do Abismo Que Tudo Do Alto Também Pode Ser Pescado, Asin. No Abismo, No Próprio Abismo, Há Pescadores De Luzes, Há Pescadores de Trevas. Tu, Asin, És Um Deles. Tu Sabes, Asin, Que És Um Deles, Tu Não Deves Negar, Asin, O Teu Alto Pescar A Partir Do Abismo. O Abismo Da Queda É O Melhor Horizonte De Toda Verdadeira Pesca. Vim Do Abismo E Ao Um Me Uni. Tu Viestes Do Um E A Partir Do Abismo Ao Um Tu Podes Retornar.