sexta-feira, novembro 23, 2007

Marcas De Pés Para Toda Possível Liberdade


- O que prende os seres humanos ao desprovedor Caminho De Fatos Que Não Avançam Em Seu Caminhar Exato é a fixação em valores, modos de valores e tentativas de novos valores.

- Dentre os maiores valores humanos nasce laços atávicos de difícil desvencilhamento, Alyn.

- E qual desvencilhamento, Verdadeiro desvencilhamento, é possível a todo Ser, tanto Elevado quanto Quedante, Seyin?

- O Desvencilhamento Possibilitado Pelo Não Desvencilhar-Se Diante Das Torres Caídas Dos Valores.

- Valores Quedantes...

- Não é por eu ser contrário à Humanidade que lhe digo isto, Alyn: A Humanidade É Um Monte De Montanhas Em Vales De Vegetações Valorizadas Totalmente No Quedante de Suas Formas Sutis E Complexas. Sempre se fala, entre humanos e humanas, sobre Matas Crescidas e sobre Matas Mortas. Sou um Anjo Caído, Anjo Caído que deve procurar, agora, tentar Compreender a Humanidade, a qual feriu demais a minha Filha, Gaia, este mundo que eu Moldei... Matas Crescidas... Matas Mortas... Houveram homens e mulheres que tornaram Férteis, Verdadeiramente Férteis, tais Matas. Homens como Jiddu Krishnamurti, o Adepto Alcione, Adepto A Caminho Dos Grandes seios Da Deusa Liberdade. Krishnamurti indicou as Pegadas Corretas, indicou as Pegadas, As Verdadeiras Pegadas, para todo homem, para toda mulher, Verdadeiramente Ciente De Que Seus Pés Podem Possibilitar Uma Verdadeira Liberdade. Krishnamurti, como um homem, não querendo que o manipulassem como fariam, tornando-o o invólucro material do Espírito Do Amor, O Verdadeiro Amor, o qual muitos denominam Espírito Santo, A Terceira Face Da Mãe, A Terceira Face Do Pai, conforme as Fontes De Poder; Krishnamurti, abrindo mão disso tudo, abrindo mão de toda essa Verdadeira Responsabilidade, quis que os seus pés deixassem pegadas sutis acerca de como cada humano, cada humana, deveria seguir em frente, não se atendo a linguagens religiosas fúteis, buscando a si mesmos, compreendendo a si mesmos. Mestres Falavam Com Krishnamurti, As Vozes Amorosas Da Criação, Pedindo Pela Verdadeira Liberdade Dos Seres Humanos, através dos lábios dele Falavam. Dos seres humanos, entre os seres humanos, Jiddu Krishnamurti, o Adepto Alcione, foi Aquele de quem eu nutro uma admiração, sincera admiração, Alyn.

- Então, você não odeia a todos os seres humanos, Pai Da Terra?

- Odiar Não É Ser Inominável, Alyn. Sou O Moldador Do Planeta Terra, O Pai De Gaia, mas, após milêniso incontáveis aprisionado àquele trono de pedra, após minhas Mortes Sequenciais Internas, após todas as Palavras Do Inominável Desconhecido através dos lábios de Asin... E, Alyn, após todas as vossas palavras... Sim, estou na sinceridade minha de Inominável Ser, não Anjo Caído... Após tudo que Ouvi, estou apto a aprender a mar uma Humanidade que sempre odiei. Vi daquele trono de pedra, trono frio, trono inimigo, trono estagnante, toda a Caminhada De Alcione como Jiddu Krishnamurti, Desvelando Mistérios Do Verdadeiro Amor, Revelando Os Concretos Conceitos Mais Libertadores Do Verdadeiro Amor, Realizando O Verdadeiro Amor Na Escrita Libertadora E Na Voz Libertadora De Um Verdadeiro Eu Livre. Eu amava aquele trono de pedra, queria-me longe dos destruidores e agressores de Minha Filha... Porém, O Inominável Desconhecido Arrastou-Me Amorosamente Para Os Seus Inomináveis Amorosos Braços... Inominavelmente, Compreendo Mais Ainda, Agora Inominável Ser, O Verdadeiro Amor Que Revelado Foi Na Terra, Singelamente, Silenciosamente, Em Todas As Palavras De Jiddu Krishnamurti. De toda maneira, os livros dele são Verdadeiramente Sagrados, mas ele não se dizia uma autoridade religiosa. Sabemos, Irmãos Existenciais Inomináveis, contudo, que ele foi um dos únicos Verdadeiro Religioso, após Mahatma Gandhi, Martin Luther King e diversos outros que sagraram seus pés ao Libertar Humano, que Agiram No Verdadeiro Amor, Foram No Verdadeiro Amor, Ficaram No Verdadeiro Amor, São O Ser Do Verdadeiro Amor Em Seus Legados Deixados No Solo Terrestre Das Verdadeiras Palavras E Dos Verdadeiros Pensamentos.

- Mensageiros Do Verdadeiro Amor, Mensageiros Filhos Do Verdadeiro Amor.

- E Pais Das Coisas Verdadeiramente Amadas Que Apenas Podem Ser Encontradas Entre As Pegadas Em Estradas Que Sabem Verdadeiramente Pronunciar A Palavra Verdadeiro Em Amor E A Palavra Amor Em Verdade.

- Assim A Pronunciamos, Seyin.

- Assim, Alyn, eu ainda tenho que Aprender A Pronunciar, visando aos humanos que nós, Inomináveis, temos a Inominável Responsabilidade em auxiliar, guiar, Iluminar.

- Mas, tu já encontrastes...

- Encontrei, Alyn, apenas um leve e breve agitar de Palavras No Vento Perturbante Da Criação...

- O Vento Doutrinante...

- Ainda bate muito pouco em mim agora... Em mim, que um Dia teve-O em si como O Segundo Maior De Todos Os Anjos...

- Em Qual Ser Bate Por Inteiro O Vento Doutrinante De Todas As Fontes De Poder Em Comunhão No Verdadeiro Amor, Seyin e Alyn?

- Apenas Nela, Sa My Na.

- Apenas Nele, Sa My Na.

- Apenas No Apenas Todo Doutrinado, Irmãos Existenciais Inomináveis. Nela/Nele, apenas, A Verdadeira Pegadas De Todas As Pegadas Libertantes. Nela/Nele, O Inominável Desconhecido, Os Verdadeiros Pés Libertos. Jiddu Krishnamurti, Esvoaçante No Verdadeiro Amor, tentou Dar as possibilidade de, na Quase Semelhança, alguns pés humanos serem como os Dela/Dele. Não falhou, muitos Estão Aprendendo, como nós, A Caminharem Como O Inominável Desconhecido Que Se Revela, De Toda Forma, De Toda Maneira, Em Todas As Fontes De Poder. Temos Fé, Inomináveis, Que Caminharemos Com Os Pés Dela/Dele, Totalmente, No Grande Dia Do Amanhã. O Grande Retorno Àquele Que Sempre Fomos É O Incentivador Do Continuar A Caminhar Que Se Revela Pai/Mãe Dos Nossos Pés.




Nenhum comentário: