quarta-feira, setembro 19, 2007

Da Inominabilidade - Parte LXXVI



- O Fogo Queimando A Roda Dos Ciclos Vitais Da Existencialidade. O Fogo Queimando A Cósmica Verbalidade Das Coisas Que Giram Transcendentalmente No Ser Maior De Todas As Coisas. O Fogo Queimando O Fogo De Si Mesmo Na Aurora Fátua Das Coisas Que Não Podem Receber Um Nome. O Fogo Queimando A Virtude Real Das Lanças Dispostas No Totalizado Caminho Real De Todas As Coisas. O Fogo, O Fogo Inominabilizante Dos Inomináveis, Fogo Da Essência, Fogo Da Inessência Revelando-Se Nas Parcelas De Todas As Essências Reais, Fogo Do Fogo Essencial Da Inominável Senda Do Verdadeiro Poder Essencial. Os Inomináveis São Fogo. Os Inomináveis São Fogo Cósmico Temperando A Refeição Das Coisas Próximas Ao Verdadeiro Tempero Que É O Tempero Saboroso Que Revela A Qualidade De Toda Verdadeira Alimentação Saboreada. Os Inomináveis Alimentam-Se Do Alimento Verdadeiro, O Alimento Fátuo Inominável, Constituido Pela Maça Que Não Cai Da Árvore Da Verdadeira Vida E Pela Folha Que Efêmera Se Faz Para A Mutação Da Árvore Existencial Do Todo. O Alimento Fátuo Inominável Também É A Rosa, A Verdadeira Rosa, A Rosa Inominável Colhida No Jardim Cósmico Inominável. A Rosa, O Fogo, A Roda Fátua Das Rosas Fátuas, O Fogo Rodopiando Nas Rosas Do Jardim Cósmico Inominável. Os Inomináveis, Irmãos Existenciais Inomináveis, Devem Colher O Fogo Da Rosa E A Rosa Do Fogo, Alimentando-Se Do Cair Das Pétalas Antigas De Outras Rosas E Do Erguer Das Pétalas Novas De Nenhuma Rosa. Alimentados Inominável Cair E Erguer Das Rosas Inomináveis Na Rosa Inominável. Devemos, nós, Inomináveis, Sentir As Pétalas Como O Fogo Das Nossas Inomináveis Existencialidades Quando Caem Na Mutabilidade E Quando Se Erguem Na Mutabilidade. Fogo É O Mistério Inominabilizante Maior Dos Inomináveis, Somos Chamas Que Plantam Jardins Inomináveis Onde Crescem As Verdadeiras Flores Da Criação, As Flores Que Incineram, As Flores Que Nos Alimentam, As Flores Que Colhidas São Em Todas As Fontes De Poder. Queimar A Rosa, Queimar As Rosas, Inominavelmente, Em Si, Na Caminhada Inominável, É A Fátua Necessidade De Todos Os Inomináveis. Chuva Fátua Deve Ser Nossa Mobilidade. Chuva Fátua Deve Ser Nossa Imobilidade. Chuva Fátua De Rosas Inomináveis NaRosa Inominável Que É Nossa Própria Existencialidade. Mistérios Do Fogo Inominabilizante Dos Inomináveis São Vistos Ao Largo Do Jardim Inominável Da Inominável Criação Que Todos Nós, Inomináveis, Possuimos Em Nossos Inomináveis Olhares. Olhemos Para O Fogo. Olhemos Para O Fogo Inominável A Arder Em Redor Das Rosas Que Colhemos, Das Rosas Que Plantamos, Das Rosas Que Nos Incineram. Olhemos Para O Fogo. Olhemos Para O Fogo Presente Nos Presentes Que Recebemos Sendo Efêmeros E Nos Modificando Com O Passar Das Chuvas Fátuas De Todas As Sendas Que Colhemos Em Nossos Fátuos Inomináveis Responsabilidades. Inomináveis Responsabilidades De Inomináveis Seres.






Um comentário:

Etc e tal disse...

brigadaaaaaaaa pelo poema eu adorei muito viu?????

bjus e ótimo fds!!!