quarta-feira, junho 27, 2007

Da Inominabilidade - Parte LXXIII


A Oferenda Foi Efetuada Diante Da

Expressão Do Altar

E Me Dignei A Ver O Guardião

Diante Da Presença Do Centurião.

Amiga Da Serpente,

Coroei O Dragão.

Amante Do Dragão,

Sacrifiquei A Coruja.

Filha Da Coruja,

Pousei As Minhas Asas

Sobre As Do Corvo.

Mãe Do Corvo,

Aprendi A Ser O Novo,

Aprendi A Ser A Nova,

Novo Rosto,

Nova Aurora.


Dizendo Sim,

Aliei-me Aos Campos.

Dizendo Não,

Aliei-Me Às Terras.

Senti O Vibrar,

Estremeci Sem Lar,

Estremeci No Lar,

Pesquei,

Fui Pescada.

Peixe Maior,

Peixe Menor,

Que Importa Ser

No Grande Mar?

Sei Nadar,

Não Sei Nadar,

Mas O Que Mais Importa

Não É O Afundar

E Não Mais Emergir

À Superfície Que Sufoca?


Fui Ali,

Estive Aqui,

Senti Acolá.

Me Atrevi,

Vi,

Ofertei-Me Aos Outros

Brilhos Solares,

Ofertei-Me Às Outras

Coroas Lunares.

Lutei.

Venci.

Perdi.

Zombei.

Ri.

Chorei.

Gargalhei.

Odiei.

Amei.

Tudo Assim.

Tudo Assim Aqui.

Tudo Assim Lá.

Tudo Assim Acolá.


A Águia Voa,

A Águia Chama,

Estou Indo,

Estou Ficando,

Estou Parada,

Estou Estando

No Estar.

Afinal De Contas,

Que Mais Pode Ser

Doutrinador

Do Que O Estar No Estar?


Alegro-Me,

Saio Do Deserto!

Alegro-Me,

Puxarei Para O Meu

Alto Oásis

Outros Que Sairão

Do Deserto!

Respondam:

Isto Não É

Um Verdadeiro Milagre?



Alynne. Alyn. Uma Só.

É um pedido.

É uma confissão.

É uma oração.

É um poema.

É uma confirmação.

Tudo assim ocorre com ela, agora.

Tudo agora ela É.

Tudo É para ela O Agora.

O Ontem nos versos.

O Hoje nos versos.

O Amanhã nos versos.

Gaia está sorrindo.

A Terra está sorrindo.

Uma Filha Dela completou a sua Evolução.

Uma Filha, mais Dela do que minha, completou a sua Evolução.

Eles estão chorando...

Os Onze estão chorando...

Até Seyim...

Seyin chora...

Ele, inimigo de todos os seres humanos, chora...

Alynne, mais um milagre de Alynne.

Alyn, mais um milagre de Alyn.

Alynne. Alyn. Ela chora.

Em seus momentos finais como Encarnada, ela chora.

Não, a Transiçaõ não será agora, mas ela, mesmo assim chora.

Choro de felicidade.

Choro de tristeza.

Felicidade pelo Retorno Ao Alto.

Tristeza por todos e por todas que em suas Existências Sublimes ela não pôde auxiliar.

Como Sublime foram todas as Existências dela...

Como foram Sublimes...

Sublimes, estando todas nos versos que ela recitou e que veio a nos emocionar...

Anjos Caídos chorando...

Seyin...

Seyin, chorando...

Eu, chorando...

Eu, inominavelmente, chorando...

Alynne. Alyn. Minha...

Minha...

Minha Filha...

Filha...

Abraço...

Devo abraçá-la...

Filha...

- Alynne... Alyn.... Filha, O Inominável Desconhecido Vos Recebe No Alto.

- Pai, obrigada...

- Não me agradeça, abrace-me...

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Rvekkeyll abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Letycyell abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Abeyraell abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Gemelleyll abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Sa My Na abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - An Ya El abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Ran abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto, Alyn! - Bayn abraça-nos.

- Bem-vinda ao Alto... Alyn! - Seyin abraça-nos.

Os Onze.

Os Onze abraçados.

Abraçados e em Comunhão Inominável Com O Momento Evolutivo Maior De Um Ser Moldado.

O Momento Do Retorno Ao Alto.

O Momento Do Retorno À Mãe.

O Momento Do Retorno Ao Pai.

O Momento Do Retorno À Sua Fonte De Poder.

O Momento Do Retorno Ao Inominável Desconhecido.

O Melhor Momento De Todos Os Melhores Momentos!

O Maior Momento De Todos Os Maiores Momentos!

Choramos!

Choramos bastante!

Quem não choraria?

Quem Não Choraria Diante Da Visão Da Única Verdadeira Vitória De Todas As Verdadeiras Vitórias?

Quem Não Choraria Diante Da Vitória Maior De Um Irmão Existencial?

Lágrimas De Verdadeira Felicidade São Raras...

Lágrimas De Felicidade Inominável São Todas As Verdadeiras Lágrimas!




quinta-feira, junho 21, 2007

Da Inominabilidade - Parte LXXII


- Representei muito para as minhas discípulas e amigas que foram assassinadas por aqueles homens. Fui a melhor das filhas carinhosas e atenciosas para os meus pais, aqueles que me criaram. Minha mãe, Asin, jamais saberá que foi fecundada por um Anjo Caído Que Ainda Se Eleva e não paira sobre aquele que vejo como pai a sombra da traição. Desde meu Primeiro Existir Material, mesmo como bárbaro, Bárbaro Ser, até este meu Último Existir Material, as Centelhas Angélicas de minha alma Vibram em vossa direção e Sabia que tu és meu Verdadeiro Pai. Passei por todos os mundos e tu sempre estava a encontrar-me, sob vossa forma original, sob várias outras formas, mesmo antes de Cair. A Mãe Inominável, O Pai Inominável, deu-lhe A Missão Inominável De Gerar Aquela Que Te Faria Elevado Novamente A Partir Da Parcela Que É Parcela Do Princípio Motriz De Todas As Coisas Das Realidades E Dos Mundos E Das Dimensões. Não havia apenas Carne em vossos Atos Inomináveis que plantavam nos úteros de minhas mães as vossas Sementes Inomináveis, nem antes de vossa Queda, nem agora em vossa Queda. Sei que todos aqui estão espantados, estão surpresos, foi-lhes vedada A Visão Acerca Do Que Realmente Eu Sou. Mesmo diante da minha Ascensão Ao Alto, não deixo de possuir Amor pela Humanidade e de Crer em sua Redenção, Redenção No Grande Dia Do Amanhã. Voarei No Alto, Mas Meus Pés Continuarão A Pisar No Barro E Na Lama Do Baixo. Caminharei Ainda Nos Pântanos E Beijarei Ainda A Face Daqueles Que Querem Meu Mal. Não sou mais mulher, nem sou mais homem, nem sou mais Existente, Sou Inominável. Sou O Exemplo Inominável De Que Seres Humanos Evoluindo Do Barro E Da Lama Dispostas Nas Estradas Existencias Da Estrada Existencial Humana Podem Ascender Ao Alto Através Da Inominabilidade, Irmãos Existenciais Inomináveis. Ódio tive pelos meus estupradores, o que quase me desviou para o Reinício Da Caminhada; contudo, Os Loucos Anjos Caídos Despertaram-Me Novamente Para A Minha Ascensão Inominável. Sou Efêmera Como Humana E Serei Efêmera Como Anjo Noturno Inominável. O câncer me reduz, reduz a este corpo físico aparentemente saudável, a uma casca vazia sem sentido. Não tive filhos e nem amores nesta minha Última Existência Material e todos os filhos e amores que tive em todas as minhas Existências estão em mim. Todos eles estão em mim, Sou A Voz Da Primeira Filha E A Voz Da Última Filha, Sou A Voz Do Primeiro Filho E A Voz Do Último Filho, Na Sequência E Na Sentença Do Juizo Inominável Da Minha Existencialidade Inominável. Meu Pai, Asin, o qual sempre encontrei, foi o meu Mestre Sem Ter Me Doutrinado Através De Seus Lábios. Entre as minhas Existências, Adormecida, ele dialogava comigo e, com os Conhecimentos Inomináveis a mim repassados no Sono Imaterial, eu continuava em minha Caminhada, cada vez mais Caminhada Inominável. Em todas as minhas Existências, Meu Pai Asin, eu me apoiei em seus braços e em suas asas, não para chorar e me equilibrar, mas Para Mais Inominavelmente Ser. Em todas as minhas Existências, Meu Pai Asin, eu Sabia de vossa Missão Inominável e do Porquê De Ter Caído e do Porquê De Ser Quedante. Somos Um, Meu Pai Asin Du An No In, Somos Um! E eu...

- Não se ajoelhes perante mim, Minha Filha Alyn Ne Krys Ten Zen, não, por favor...

- Meu Pai, tu mereces...

- Mereço que Continues A Caminhar Comigo Lado A Lado A Cada Uma De Nossas Batalhas Inomináveis. Caminhes, Minha Filha, Continues A Caminhar, sem me Ver como um Deus, um Arcanjo, um dos mais poderosos Anjos, uma das mais encantadoras Divindades. Somos Todos O Inominável Desconhecido. Nós, Os Inomináveis, Somos Todos O Inominável Desconhecido. Eu Sou A Mãe Inominável; Eu Sou O Pai Inominável. Alyn É A Mãe Inominável; Alyn É O Pai Inominável. Seyin Jun Doh Ar Nar, Tu És A Mãe Inominável; Seyin Jun Doh An Nar, Tu És O Pai Inominável. Letycyell, Tu És A Mãe Inominável; Letycyell, Tu És O Pai Inominável. Abeyraell, Tu És A Mãe Inominável; Abeyraell, Tu És O Pai Inominável. Gemelleyll, Tu És A Mãe Inominável; Gemelleyll, Tu És O Pai Inominável. Rvekkeyll, Tu És A Mãe Inominável; Rvekkeyll, Tu És O Pai Inominável. Sa My Na, Tu És A Mãe Inominável; Sa My Na, Tu És O Pai Inominável. An Ya El, Tu És A Mãe Inominável; An Ya El, Tu És O Pai Inominável. Ran Zya As De Re Be El, Tu És A Mãe Inominável; Ran Zya As De Re Be El, Tu És O Pai Inominável. Bayn My An Sy De, Tu És A Mãe Inominável; Bay My An Sy De, Tu És O Pai Inominável. Somos A Mãe Inominável. Somos O Pai Inominável. Não Somos Deuses Ou Demônios. Não Somos Arcanjos Ou Anjos. Não Somos Entidades Ou Espíritos Da Natureza. Somos Inomináveis, Somos Mutáveis, Somos Efêmeros, E Aprendemos Com Tudo Que Não Pode Ser Nomeado. Temos Nomes; Mas, Nomes Verdadeiros Eles São? São Nomes Verdadeiros? Temos Mesmo Nomes? A Transição Do Pó Vivo Para A Areia Viva E Da Areia Viva Para O Pó Vivo É Como A Nossa Inominabilidade. Somos Pó Vivo, Somos Areia Viva, Pó Dos Cemitérios Inomináveis De Todas As Horas, Areia Das Praias Inomináveis Fora De Todas As Horas. Somos Os Cemitérios Inomináveis, Somos As Praias Inomináveis. Enterramos Nossas Covas Batalhando Pela Ascensão Da Parcela Inominável Da Humanidade E Por Todas As Humanidades, Ao Mesmo Tempo, De Todas As Fontes De Poder. Somos Esqueletos, Somos Micrrorganismos, Somos Formigas Inomináveis, Efêmeros Seres Diante Das Transitoriedades Das Mutabilidades Cósmicas. Não nos importamos com as risadas e os deboches, as gargalhadas e as ironias, Daqueles que nos vêem como inexistentes na sanidade e existentes apenas na loucura. Sim, Irmãos Existenciais Inomináveis, Somos Loucos, Pois Apenas Os Loucos Podem Ser Inomináveis. Somos Loucos Inomináveis, Somos Do Hospício Inominável Da Maior De Todas As Sanidades: Saber Modificar-Se, Ter O Modificar-Se, Ser O Modificar-Se, Ver O Modificar-Se. É o que Alyn, prestes a abandonar a Matéria e a conosco Caminhar Em Verdade Inominavelmente Mais Verdade, fez para chegar ao cume de sua Escalada Evolutiva Existencial: Soube Modificar-Se, Teve O Modificar-Se, É O Modificar-Se, Vê O Modificar-Se.



terça-feira, junho 19, 2007

Da Inominabilidade - Parte LXXI


- O Medo, A Essência Que Move A Todo Verdadeiro Guerreiro. O Medo, A Plural Face De Toda Tentativa De Ascensão Nas Escalas Todas Das Singularidades Essenciais Da Criação. Singular É A Corrida Do Medo Em Nossos Eus, Singular Ida, Singular Retorno, Singular Permanência. Corre Em Nossos Eus, Eus Efêmeros, posto que somos Inomináveis Seres, A Posse Da Garantia De Nenhuma Garantia Que Seja Segura E Real E Ideal E Existente. Irmãos Existenciais Inomináveis, Não Existe A Garantia Da Nossa Positiva Chegada Ao Ponto Ascensório De Condução De Outros Inomináveis Ao Caminho Inominável. Seguridade É Tolice, A Inseguridade É Toda Potência De Toda Realização Em Todos Os Espaços Existenciais Da Criação.

- Inomináveis Caminham Mais Do Que Cegos, Asin?

- Caminham, Bayn.

- Então...

- Sim, meu Irmão Existencial Elevado, Caminhei Desde Que Fui Moldado Pela Mãe Inominável, Pelo Pai Inominável, No Alto, Mais Do Que Um Cego E Todos Os Cegos E Nenhum Cego.

- Isto é Ser Inominável...

- Inominável Não É Garantir O Lugar Já Dado Aos Que Pensam Que Já Possuem Um Lugar. A Trajetória De Todo Inominável É Como O Balançar Quedante Da Queda De Todos Os Seres Superiores Que Caem, Cairam E Cairão Do Alto. Os Anjos Diurnos Inomináveis, Os Anjos Noturnos Inomináveis, Elevados, Caídos: Todos Inseguros Porque Não É Possível Nomear Um Passo Sequer Da Realização Futura De Uma Caminhada Inominável. Não haverão maravilhas e maravilhamentos em nossa Caminhada conjunta, Enxugadores De Lágrimas. Não haverão alegrias e alegorias em nossa Caminhada conjunta, Enxugadores De Lágrimas. Não haverão sorrisos e outros mimos, falando agora a linguagem humana, em nossa Caminhada conjunta, Enxugadores De Lágrimas. Os do Alto não estarão contra nós e nem muitos que do Alto Cairam, Caem e Cairão. Os do Alto não afastarão de nosso Caminho em conjunto os Anjos Caídos Filhos De Kain, os Demônios Nomeáveis, os Deuses Malditos e os demais Seres que desejam que a Criação seja toda envolta apenas pela Face Tenebrosa De Todas As Escuridões Da Deusa Escuridão. Os do Alto não porão flores em nossos passos e nos Passos Inomináveis qye daremos em prol da busca dos Inomináveis que auxiliaremos a se reencontrarem com A Inominabilidade. Teremos contra nós muitos inimigos; os piores deles serão alguns dos próprios Inomináveis, cegos pela Matéria, que estão designados para que nós despertemos. Receberemos cuspes nas faces. Receberemos chutes nas faces. Receberemos socos nas faces. Receberemos pauladas nas faces. Receberemos os linchamentos mais nomeáveis e inomináveis. Seremos linchados pela Turba Das Escuridões Totais e pelos que Devem E Vão Sair Das Suas Escuridões Existenciais. Seremos linchados, Enxugadores De Lágrimas... Estaremos sozinhos Enxugando Lágrimas... Estaremos sozinhos reunindo Os Inomináveis Que Devemos Reunir E Conduzir Reconduzindo À Inominabilidade...

- A Cruz Inominável...

- A Cruz, Seyin, das nossas Verdadeiras Verdades.

- Estás conosco, Bayn, ainda?

- Seyin, O Medo... O Medo... O Medo não pode me afastar da Inominabilidade, pois Daquela/Daquele Que Me Moldou Em Sopro Recebi A Missão De Caminhar Inominavelmente! Caminhar Efêmero, Que Seja! Receber Ataques Dos Ignorantes Imateriais E Materiais, Que Seja! Tenho que Guerrear, Guerrear, Guerrear, mesmo tendo medo... O medo da Grande Falha... Perdoai-me, Irmã Existencial Inominável Alynne, por eu...

- Não me aborreci, não me ofendi, Bayn, meu Irmão Existencial Inominável.

- A Grande Falha... Sentimos Ela entre nós...

- Ela É Efêmera.

- Como Toda Grande Vitória...

- Inomináveis Não Buscam A Vitória...

- E Nem Se Afastam Da Derrota...

- Somos como nosso Guia, Asin, Irmãos Existenciais Inomináveis... O Medo... O Efêmero... A Incerteza... Como humana, eu tenho muito mais medos, pois vou, um dia, perder este invólucro no qual As Grandes Disciplinas Evolutivas Finais estou a aprender. Não sei se após a Transição eu serei Alguém Acima ou Alguém Ainda Aprisionado À Materialidade... Porém, Asin, continuarei contigo, Sei, Vejo, isso... E convosco, Meus Irmãos Existenciais Inomináveis!

- Vossa Paixão é Alta, menina humana.

- Minhas Paixões Mais Altas são, agora, Inomináveis, Seyin.

- Há Paixão E Amor Inomináveis em ti, menina humana.

- Quando me aceitarás, Meu Irmão Existencial Inominável, e me chamarás de Alynne?

- Quando tu deixares teu invólucro humano e retornares à Imaterialidade, menina humana.

- Não demorará muito a isso ocorrer, Meu Irmão Existencial Inominável... Tu Sabes disso... Todos aqui Sabem disso... Eu Sei disso agora, Asin.

- Vossa doença já está avançada, Alynne, há...

- Meu câncer cerebral acelerou-se após o meu estupro e, ao mesmo tempo, minhas habilidades psíquicas e ocultas ganharam mais potencialidades. Minha Transição está próxima, Irmãos Existenciais Inomináveis e Aceito abandonar este invólucro para convosco Caminhar Inominavelmente de um modo melhor. Meus trinta e oito anos humanos, nesta minha Existência, que talvez ou não seja a última na Matéria, foram muito bem vividos. Agradeço aos Inomináveis pelas minhas lágrimas. Agradeço aos Inomináveis pelas minhas dores. Agradeço aos Inomináveis pelo meu câncer. Agradeço aos Inomináveis pelo meu estupro. Agradeço aos Inomináveis por estar aqui passando os meus últimos momentos como humana encarnada. E lhe agradeço, Asin, por teres sido o meu pai, carnal e Espiritual, em todas as minhas Existências em todos os mundos do Mais Baixo e do Baixo.

Memórias Inomináveis São As Únicas Coisas Na Criação Que Não São Efênmeras. Alynne agora me surpreende, como sempre me surpreendeu. Alynne surpeende a todos aqui, até a Seyin. Ela Sabe que eu sou O Pai Inominável dela, A Ter Agido Em Nome Da Mãe Inominável Em Todas As Concepções Dos Seus Invólucros Materiais. Todos agora além de nós dois Sabem que Alynne, Minha Filha, é A Materialização Do Meu Feminino Ser Inominável Ser. Ela alcançou o seu Estágio Evolutivo Final. Ela Já É Um Anjo Noturno Inominável Elevado, O Anjo Que Redirecionará Ao Alto A Minha Maior Parcela Existencial: A Feminina.



quinta-feira, junho 07, 2007

Da Inominabilidade - Parte LXX


- Vencer Os Nomeáveis Obstáculos Das Certezas Feitas E Prontas Como Verdades É O Maior Desafio Entre Os Desafios Da Inominabilidade. Nós Sabemos, Asin.

- A Pluralidade Do Efêmero ainda me é estranhamente Algo que devo lutar por Querer Acreditar Que Existe, Alynne, mesmo Sabendo...

- Que Determinadas Coisas Mutáveis Da Criação Que Parecem Não Modificar-Se Estão Em Duvidosa Rota De Colisão Com As Verdades Inomináveis.

- É Inseguro Ser Inominável.

- E o que É Seguro em toda a Criação, Asin?

- Apenas O Inseguro.

- E permanecemos nessa Guerra Entre Seguridades E Inseguridades que nos permite Escrever Sobre Livros Inteiros De Mais Mentiras Do Que Verdades.

- Sim, Alguns Textos Lidos Mentem, Abeyraell...

- E Outros Nos Fazem Crentes De Que Somos Algo Em Algo, Alynne.

- É O Desespero Das Formas Escritas No Kosmos...

- É O Kosmos Sem Todas As Suas Formas Escritas Em Seu Próprio Livro. Ser Inominável complica ainda mais essa Inseguridade Existencial, já que A Efemeridade Inominável vem a nos reduzir, a cada Mutável Ir E Vir Das Consistências E Consciências De Todas As Coisas, A Pontos Negativos De Batalhadores Por Um Caminho Que Sempre Queremos Que Seja Positivo.

- O Livro Dos Enxugadores De Lágrimas Tende Ao Fracasso Efêmero, Abeyraell.

- Tendências Incorporam-Se No Efêmero, Bayn. Admitamos que no Caminho Inominável estamos todos Cegos, Nada No Inominável Adquire Seguridade Porque Tudo É Mutação A Todo Momento A Seguir O Ritmo Verdadeiro De Cada Coisa Presente No Seio Da Criação. As Escritas Vão Caindo E O Livro Vai Se Apagando.

- Ao longo de tudo que faremos, temos mesmo que ser Cegos?

- O que o leva a não querer Saber Ser Inominavelmente Inominável, Bayn?

- O que me leva, Abeyraell, é a certeza de que iremos Caminhar Fora Dos Nossos Originais Eixos De Existencialidade Inata, Como Cegos Dividindo Seus Passos Entre O Esquema Fundado E O Esquema A Ser Fundado.

- Abeyraell está mais correta, meu Irmão.

- Somente porque já se aceita Cega, Ran?

- Tu enxergar Tudo, Bayn? Tudo, Dentro Da Grande Noite Da Criação Que Nos Deu A Noção Do Que Somos E Do Que Não Somos?

- Somos Anjos Elevados, Ran, Sabemos De Tudo!

- E, Sendo Anjos Elevados, Bayn, Somos Realmente Soberanos No Sinalizar De Que Tudo Que Nos Rodeia, Até Nós Mesmos, Somos Efêmeros?

- Tu estás te tornando, Ran, bastante...

- Efêmero, sim, Efêmero Inominavelmente. E as vossas dúvidas também são Efêmeras, Irmão Inominável.

- Não são dúvidas... É... Pelo Alto, Eu Sou Um Anjo Elevado Com Medo De Ser Um Inominável!

- O Medo É Efêmero, Bayn.

- Não em mim, Asin, porque eu sempre tive medo. Medo De Ser Anjo Elevado E Por Causa Deste Mesmo Medo, Cair.

- Quer dizer, Bayn, que...

- Exatamente, Asin, Sou Anjo Elevado Que Não Se Agrada Com A Sua Obra Elevada... Uma Obra efetuada neste mundo, que sequer me conhece e reconhece... Falo dos humanos, uma Raça que... Pelo Alto, porque tenho que Enxugar Lágrimas Humanas?

- Mas, tu acreditas...

- Acredito na Redenção Da Humanidade, Asin. Mas, tal crença, agora, Inominável, Sei, é efêmera... E, sinceramente, mutável... Portanto, totalmente mentirosa se a pusermos aos Níveis Existenciais Da Verdade Da Criação Que É A Verdade Do Todo E Do Nada Efêmeros.

- Esta É A Guerra De Todos Os Inomináveis, Enxugadores De Lágrimas.

- Uma Guerra que temo, Asin... Que temo...

- Todos nós, Inomináveis, A tememos, Bayn... Todos nós, Os Inomináveis...






quarta-feira, junho 06, 2007

Da Inominabilidade - Parte LXIX


- Participando da Efemeridade Inominável De Todas As Coisas, Asin, devemos nos Conscientizar Elementarmente Das Condições Antigas Das Coisas Nas Quais Transitávamos Antes.

- Coisas Não-Coisas, Rvekkeyl, Atos Do Puro Que Havia No Impuro Das Formas Nomeáveis.

- Não Há A Virgindade Do Fator Das Novas Roupagens Na Inominabilidade.

- Falas Das Roupagens Da Transição Entre As Mutações De Todas As Roupagens Das Coisas E Das Não-Coisas.

- Falo, Asin, e me integro ao momento de duvidar.

- Duvidar da Inominabilidade em sua Efemeridade.

- Sim, Asin, estranho é, para mim, A Efemeridade Inominável, pois eu Vejo que há O Eterno e O Infinito, que são Permanentes.

- E O Permanente Percebido É O Permanente Verdadeiro?

- Ele É, Asin, todos nós aqui Sabemos disso.

- A Inominabilidade Transita Em Outros Poderes De Outros Caminhos, Rvekkeyll.

- Lentamente, Seyin, eu Sei que não podemos nos acostumar com o Fato Novo De Sermos Inomináveis; porém, jamais nos acostumaremos com A Efemeridade.

- O Poder Vital Das Fadas Não É Eterno, Fadas Morrem.

- Morremos, mas, Virginalmente, a Mãe Gaia, Vossa Filha, Seyin, nos concede A Eternidade De Sermos Nós Mesmas Em Outras De Nós Mesmas. Já fui Muitas Do Corvo Virginal E Acompanhei Todas As Transições E Não-Transições, Separando O Efêmero Do Eterno. E, agora, Inominavelmente, estou a Ver que Tudo É Efêmero... Complicado, Seyin, até para Seres Elevados como nós, Aceitar A Visão Inominável.

- Aceitação, Rvekkeyll, O Tempo Poderá...

- Simplismo é crer nisso, Seyin.

- Estás me chamando de simplista, menina humana?

- Estou...

- Alynne, Seyin, a problemática agora é das mais sérias e pediria aos dois para nos concentrarmos na resolução dela.

- Estamos nos concentrando, Abeyraell.

- Não estão, Alynne, pois, a todo momento, vós dois explodem um contra o outro, como se não fossem Irmãos Inomináveis.

- Isso...

- Alynne...

- Abeyraell, eu não posso concordar, igualmente, em ser Irmã de um Ser Caído que me despreza.

- E eu, Seyin, Pai De Gaia, não concordo em ser Irmão de uma daqueles que ferem a minha Filha.

- Mesmo assim, vós sois Irmãos Inomináveis.

- Somos mesmo, Asin?

- O que insinuas, Seyin?

- Sabeis do que eu falo, Seyin.

- Da Efemeridade.

- Diante Dela, da Efemeridade Inominável, como ter A Certeza De Que Nós Somos Realmente Os Onze?

- As Fontes De Poder não possuem falhas e nós somos Os Onze, Os...

- "Enxugadores De Lágrimas"...

- Noto um deboche intrínseco na voz deste Ser Caído, Asin...

- Menina...

- Seyin, Alynne, por mais que briguem, por mais que não queiram, vós dois sois Irmãos Inomináveis. A questão pla qual sou levado a ser pressionado, agora, é acerca da Efemeridade.

- Nada Pode Ser Efêmero, Asin.

- Tudo Pode Ser Efêmero, Bayn.

- Isso se considera uma Fonte De Poder?

- Tu és do Alto, Bayn, e Sabes que A Fonte De Poder Inominável É Uma Das Infinitas Fontes De Poder.

- É mais seguro continuar a Não Ser Inominável...

- Desistindo do vosso Novo Bater De Asas, Bayn?

- Quem és tu para me indagar assim, Alynne?

- Quem és tu para desistir assim, Bayn?

- Compreendo o que quer me dizer, mas nenhum Direito uma dos humanos tem de questionar assim a um Anjo Elevado!

- Estamos nos Desequilibrando, Irmãos Inomináveis...

- Desequilíbrio representa a dita Efemeridade Inominável, Letycyell! A Efemeridade Inominável É Algo Desequilibrante! Não posso Crer Inominavelmente nisso! Não posso!

- Mesmo não Crendo, tu és Inominável, Bayn.

- E vós Aceitais a Efemeridade, Letycyell?

- Nenhum de nós A Aceita, Bayn, nenhum de nós... Nem mesmo vós, Seyin e Alynne.

- Verdadeiramente correta tu estás, Letycyell...

- E eu concordo com a menina humana agora... A Efemeridade Inominável é Algo que foge à Verdadeira Compreensão até de Seres Mais Elevados do que nós, excluindo muito poucos destes, como Asin.

- Tu aceitas, Asin?

- Aceito-A, Bayn, pois tudo que eu vos disse até agora acerca da Inominabilidade é Efêmero Inominavelmente. A Maior Das Guerras De Todos Os Inomináveis É Aceitar A Efemeridade Inominável Que A Tudo, Sem Exceções, Toca, Abençoa E, Indistantamente Da Fonte De Poder Pela Qual Algo Na Criação É Regido, Assume Como Parte De Sua Essencialidade. A minha Maior Guerra também é Aceitar Que Todas As Minhas Palavras Inomináveis E Todos Os Meus Atos Inomináveis São Efêmeros Inominavelmente.