sábado, março 31, 2007

Da Inominabilidade - Parte XLV


- Se Satan ou Lúcifer ou Diabo existe como um Espírito, ele não pode jamais agir da forma que a Humanidade, em sua parcela supersticiosa e fanaticamente religiosa externamente, pensa, declama e afirma que age, Irmãos Existenciais Inomináveis. Se Satan É O Portador Das Trevas Ou Lúcifer Portando Ainda A Luz ou Diabo Portando O Erro Dos Fogos Errados, conforme os padrões cridos pela Humanidade, Ele não é O Adversário Do Verbo Creador, pois Este Moldou As Trevas Que Acompanham A Luz E Os Fogos Errados Que Acendem-Se Entre As Trevas E As Luzes Antecedendo Os Fogos Corretos Para A Harmonia Lógica Dos Opostos Complementares Que São Apenas Um Todo Harmônico. Luz Total Seria Monótona Luminosidade. Trevas Totais Seriam Monótonas Escuridões. Fogos Totais Seriam Monótonas Incinerações. Com Sua Sabedoria Creadora, Ele, O Verdadeiro Ele, dispôs A Luz, As Trevas e Os Fogos para a escolha de um destes por parte de Seus Filhos Luminosos, Trevosos e Fátuos; ou o desprezo da parte de Seus Filhos que anulam-se existencialmente nada escolhendo e por algumas Encarnações, inúmeras Encarnações, atrasando-se evolutivamente. Satan ou Lúcifer ou Diabo, para a Humanidade, pois estou a falar dos parâmetros humanos de visões da Espiritulidade Do Baixo, existindo para ela como fenômeno plausível ou noumeno indefinível, é limitado e finito em seu Espírito Imortal infinito porque o Pai Verdadeiro antecede-o por ser O Originador Das Trevas, Da Luz E Do Fogo que então aquele dominaria caso determinado como Satan ou Lúcifer ou Diabo. Satan ou Lúcifer ou Diabo, Filho do Verbo Creador como toda creatura creada, é nominável e conhecido como todas estas, limitadas igualmente no Espírito Imortal infinito e ilimitadas na Essência Verbal que lhes possibilita A Sabedoria Creadora. Reiterando o dito anteriormente pelos meus lábios inomináveis em Queda, Satan ou Lúcifer ou Diabo é objetivamente o filho daqueles que praticam o denominado “Mal” pelos seus respectivos Mutáveis-Arbítrios e, sendo esta a sua origem, a sua definição pelos supersticiosos fanáticos religiosos externos humanos, que estimulam-no a existir fantasmagoricamente tanto quanto o “Deus” que moldam a cada orar “piedoso”, está correta. Satan ou Lúcifer ou Diabo e sua corte de Demônios inumeráveis, vistos pelo fanatismo, são, aos olhos desta Filosofia Inominável, O Espelho Representativo De Todos Os Vícios De Todos Os Pesadelos Humanos Reais Transpostos Para A Materialidade. Se Satan ou Lúcifer ou Diabo existe, Ele caminha entre os seus adoradores inconscientes e conscientes, não necessitando “tentá-los” porque eles mesmos são os culpados pelas suas próprias tentações anunciantes de Quedas, Sabedoria Creadora De Mutável-Arbítrio Manifestando-Se Aqui Na Vontade Deste Inominável Ser De Asas Quedantes Aqui Quedante Assim Afirma. A Sabedoria Creadora Do Pai Inominável Não Possui Adversários Em Nenhum Mundo No Qual Arda No Espírito Eterno De Místicos Racionais As Chamas Verdadeiras Do Fogo Da Verdadeira Filosofia Presentes Em Todas As Fontes De Poder Conhecidas Em Sua Originalidade. O Verbo Creador É Filosofia, O Filósofo Creador É Todo Sábio E Pensa; Neste Pensar, Ele Inspira Os Pensamentos De Seus Filhos, os quais, se Puramente Lógicos Místicos Racionais Inomináveis, devem extinguir toda a sua vaidade e admitir que tudo o que fazem é Dela/Dele, Unicamente Dela/Dele, Exclusivamente Dela/Dele. Pergunto-vos, Irmãos Existenciais Inomináveis: Como O Sábio Creador seria adversário Dele mesmo? Como O Sábio Creador admitiria um adversário condicionado pelo Seu Próprio Verbo? Como O Sábio Creador daria a uma Creatura Creada finita e imperfeita qualquer, materialmente considerada abaixo do Espírito creado infinito que possui adormecido o potencial da perfeição, o poder de ser tão Sábio quanto Ele através de Suas Próprias Palavras Creadoras? Absurdo odiável imaginar um adversário lógico para A Pureza Lógica Verbal, já que Esta seria um ente derrubável como os Seus Filhos são. Não há adversários ou um adversário lógico constituído contra A Verdadeira Ela, O Verdadeiro Ele, porque Os Versos Do Verbo Creador São De Um Único Poeta: A Poetisa Creadora Inominável, O Poeta Creador Inominável. Não há fantasmas Nela/Nele e nenhum fantasma contrário à Sua Existência Transcendente E Imanente Na Una Creação. Fantasmas ou um único fantasma reinante em uma fantasia fantasmagórica denominada “Inferno” O depreciaria eternamente. Os fantasmas ou o fantasma moldados contra Ela/Ele, na realidade do Misticamente Racional Inominável, Finalizam-Se Esquecidos Nos Vales Sombrios Da Eterna Ignorância Típica Daqueles Que Dão Demasiada Logicidade À Deusa Matéria.


Nenhum comentário: