terça-feira, março 27, 2007

Da Inominabilidade - Parte XLI


- Os Atos Verbais Dela/Dele São Todos Lógicos, Logicismo Creativo, Creacionista E Creador, Que Torna-A, Que Torna-O, O Que É Pré-Determinadamente Naquilo Que É O Seu Ser: Aquela/Aquele Que É Sempre Tendo Sido O Que Sempre É. O Ato Verbal Cósmico Em Si Mesmo executa essa interligação de todas as Creaturas e Creações nas quais Os Verbos Creadores De Um Só Verbo Creador São Latentemente Ativos Em Verbais Mutabilidades Verbais. O Ato Verbal Da Mãe Sendo Mãe, Do Pai Sendo Pai, É Gerar De Indescritíveis Grandes Momentos Inomináveis Do Grande Momento Inominável Que É O Crear Inominável Do Inominável Creando. Tudo Creado Pelo Inominável Em Verbal Expansionismo De Si Mesmo É O Verbo. Os Astros Creados São O Verbo; Os Firmamentos Creados São O Verbo; Os Horizontes Creados São O Verbo; O Zênite Creado É O Verbo; O Nadir Creado É O Verbo; O Crepúsculo Creado É O Verbo; O Amanhecer Creado É O Verbo; As Lendas Creadas São O Verbo; Os Mitos Creados São O Verbo; As Verdades Creadas São O Verbo; As Existências Creadas São O Verbo; Os Nascimentos Creados São O Verbo; As Mortes Creadas São O Verbo; As Encarnações Creadas São O Verbo; As Reencarnações Creadas São O Verbo; Os Meios Creados São O Verbo; Os Fins Creados São O Verbo; Os Inícios Creados São O Verbo; Os Contatos Creados São O Verbo; Os Termos Creados São O Verbo; Os Determinismos Creados São O Verbo; As Causas Creadas São O Verbo; As Conseqüências Creadas São O Verbo; Os Idosos Creados São O Verbo; Os Jovens Creados São O Verbo; As Crianças Creadas São O Verbo; Os Homens Creados São O Verbo; As Mulheres Creadas São O Verbo; Os Bons Creados São O Verbo; Os Maus Creados São O Verbo; Os Bens Creados São O Verbo; Os Males Creados São O Verbo; O Bem Creado É O Verbo; O Mal Creado É O Verbo; A Luz Creada É O Verbo; A Escuridão Creada É O Verbo; A Luz Creadora É O Verbo; A Escuridão Creadora É O Verbo; O Ódio Creado É O Verbo; O Amor Creado É O Verbo; O Ódio Creador É O Verbo; O Amor Creador É O Verbo; O Verbo Creador É O Verbo, Verbo Que Nega, Verbo Que Afirma, Verbo Que É Nada, Verbo Que É Todo, Verbo Que Não É, Verbo Que É, Verbo Crescente Na Infinitude Da Verdadeira Verdade, Verbo Presente Na Crescente Verdade Da Infinitude De Todas As Infinitudes, Verbo Mutável Em Tudo Por Ele Creado A Formar Toda Vontade Inominável. Desta potencialmente surgem duas dúvidas que a este Filósofo Inominável Não-Filósofo Inominável perturbam e faz-lhes, Irmãos Existenciais Inomináveis, pensar que o mesmo cai em contradições extremas: O Inominável possui Mutabilidade, mas Sua Vontade de que todos os Seus Filhos a Ele Retornem, Vontade Desde Sempre, não seria Imutabilidade? E essa Vontade Desde Sempre não O tornaria Absoluto como Algo inescapavelmente determinador de uma obrigatória Ascensão Evolutiva-Existencial? Pelos Caminhos Intuitivos Transcendentais Puros Inomináveis até aqui explanados, vós podeis juntos com este Filósofo Inominável Não-Filósofo Inominável, Irmãos Existenciais Inomináveis, analisar o conjunto formador dessas duas dúvidas. A primeira dúvida, geradora lógica da segunda dúvida, adverte para uma possível fratura nesta Filosofia Inominável caso o esclarecimento contido no questionamento não surgisse. Se O Inominável fosse “Imutável”, todas as Creaturas Evoluídas Ao Estágio Racional Pleno sentiriam uma vontade plena, forçada por tal Imutabilidade, de a Esta dirigirem-se. Se O Inominável fosse “Imutável” e as Creaturas, em níveis diversos de Desenvolvimento Evolutivo, despertassem seus Potenciais Místicos A Ele Direcionados, Infinitamente Incompleto Seria O Retorno. Se O Inominável fosse “Imutável”, evoluir até uma Verdadeira Compreensão Transcendental Pura Inominável Dele seria desnecessário e A Conjugação Do Verbo não seria efetuada como Fator Desenvolvimentista Do Surgir Dessa Visão Compreensiva. Mutável, Sabendo Evoluir Com As Suas Creaturas Creadas, A Estas A Verdadeira Ela. O Verdadeiro Ele, Proporciona Incondicionais Modos De Suficiências Existenciais Mutáveis Que Visam Ao Seu Eterno Aprender E Ao Daqueles Que Buscam-Na, Ao Daqueles Que Buscam-No. Se O Inominável não fosse Mutável, a Una Creação nada teria de evolucionista, pois ficaria impassivelmente fixada em uma Posição Existencial que não poderia ocasionar os Atos Verbais.



6 comentários:

Zana disse...

Olá ISer,
Não tive asas para bater na parte XLII, mas tive para revoar nesta parte e outras.
O oposto da verdade é igualmente verdade.A configuração ISer é para nunca ter nome aos olhos da verdade?
ISer é uma verdade,embora não permita que se saiba de todos os elementos que essa verdade encerra.
Por ISer ser verdade estou aqui para agradecer o gentilíssimo comentário no meu blog e dizer que seus textos despertaram em mim evocações de configurações distantes.
Abraço.

Inominável Ser disse...

Inomináveis Saudações, Zana.

Inominável Ser é uma denominação que não é uma denominação, uma forma de me identificar mais essencialmente com a Inominabilidade que me foi Revelada e É Revelada todos os dias aos meus Olhos Espirituais. Os Inomináveis inspiraram-me a configuração, como tu chamastes, Inominável Ser. E é, exatamente como tu compreendestes, é uma configuração para que os nomes e os Nomes não atrapalhem as Visões Das Verdades Na Verdadeira Verdade.

Inominavelmente, é como Navegar livremente pelo Kosmos Ser O Inominável Ser. É uma experiência fascinante. É uma viagem infinita. É uma Busca incessante.

E a configuração Zana, é para que tu tenhas maior contato com a Deusa Poesia e todas as Musas?

Obrigado, muito obrigado, pela visita, Zana. Voltes quando quiseres e faças as indagações que quiseres fazer. Atenciosamente, responderei a todas.

Saudações Inomináveis, Zana.

Zana disse...

Olá Iser,
Se ISer me fala que é fascinado pela busca incessante, só posso lhe desejar asas incansáveis, e se, quando cansadas, um porto e um pouso inomináveis, é óbvio.

Zana é uma configuração feminina, de alma sombria, que reluta em aceitar a própria fragilidade deplorável e condenável.
Máscara inconsciente (?) e dolorosa que se retirada não agradaria ao ego.
Zana é simbolo.
A poesia e literatura aliviam a dor, mas não tapam os buracos que levam-na ao desamparo.

"... Fiz de mim o que não soube,
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.

Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.

Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo..."

Fernando Pessoa em Tabacaria

Zana disse...

Olá ISer (novamente)
Eu quero te dizer que vi o Jardim (http://jaindpoin.wordpress.com/.) e gosto de ficar no Jardim.
Há luz no Jardim.
As palavras são azuis.
As Asas, a Cova Abismal, os Delirios, as Lágrimas etc são espaços onde não quero ficar, embora a curiosidade e minhas sombras se afinizem.
Não, definitivamente não quero, são provocantes demais..
Posso ficar no Jardim?

Abraço

Inominável Ser disse...

Inomináveis Saudações, Zana.

Mais uma vez, muito obrigado pela vossa visita e, se quiser, voltes sempre.

Fiques à vontade no Jardim. Plante todas as flores que quiser e puder nele e recostes vossa cabeça nas árvores, adormecendo, sonhando, elevando-se existencialmente...

Saudações Inomináveis, Zana.

Zana disse...

Olá ISer,

Eu estive lá. Obrigada por abri-lo para mim.Eu sei que poderia invadi-lo e devassá-lo (me refiro ao Jardim).
Mas vi, li, a forma generosa com que me ofereceu e fico muito grata.
Não é sempre que encontro um jardim para estar.
Eu não sei falar muito, por isso os meus blogs não são formados por textos escritos por mim.
Eu acho que não gosto mesmo de falar sobre mim, mas o que de alguma forma mexe comigo eu coloco lá.
É isso.

Fica sabendo que qualquer espaço que eu tenha, ou venha a construir, estará sempre aberto para te receber quando quiseres bater asas por lá.Serás sempre muito bem vindo.


Eu pensei em que tipo de jardim estaria. Existem vários tipos.
Um jardim exotico, onde se considerasse apenas os aromas, ou a forma das folhas etc....
tantas e tantas coisas há sobre jardins...
As plantas que crescem em direção a luz e outras que se desenvolvem com luz indireta.

Quase escrevi um comentário lá.

Eu já vou... até outra hora...

Abraço