sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Da Inominabilidade - Parte II



- Insisto no poder discutir convosco o poder dos nomes em nossas Existências. Quando nascem os humanos, eles emitem sons guturais ininteligíveis, a nada nomearem; crescendo, provavelmente, essecialmente, principalmente, as primeiras palavras pronunciadas por eles são “pai” ou “mãe”; se são criados em famílias religiosas aprendem a pronunciar todos os “bons nomes” convencionais “Deus”, “Jesus”, “Maria”, “José”, “Diabo”, “pecado”, “bem”, “mal”, “redenção”, “salvação”, “Nirvana”, toda a terminologia ortodoxa religiosa; se são criados em famílias descuidadas, não-religiosas, aprendem a pronunciar todos os “palavrões” existentes; e, até se tornarem idosos, vão aprendendo a pronunciar nomes vários incessantemente. “Amor”, “ódio”, “luxúria”, “sexo”, “paixão”, “vida”, “morte”... Nomes, nomes, nomes mecanicamente acumulados e assimilados como que em um banquete onde o que conta não é a qualidade da refeição, mas a quantidade desta a ser servida e provada. Já vos perguntastes do porquê dos nomes e dos Nomes, Irmãos Inomináveis? Por que o nome “pai”? Por que o nome “mãe”? Por que o nome “Deus”? Por que o nome “Jesus”? Por que o nome “Maria”? Por que o nome “José”? Por que o nome “Diabo”? Por que o nome “pecado”? Por que o nome “bem”? Por que o nome “mal”? Por que o nome “redenção”? Por que o nome “salvação”? Por que o nome “Nirvana”? Por que o nome “palavrões”? Por que o nome “amor”? Por que o nome “ódio”? Por que o nome “luxúria”? Por que o nome “sexo”? Por que o nome “paixão”? Por que o nome “vida”? Por que o nome “morte”? Por que o meu nome, "Asin Du An Noin"? Por que o vosso nome, Alynne, "Alynne Christenssen"? Por que o vosso nome, Seyin, "Seyin Jun Doh Nar Dar"? Por que o vosso nome, Letycyell, "Letycyell"? Por que o vosso nome, Abeyraell, "Abeyraell"? Por que o vosso nome, Gemelleyll, "Gemelleyll"? Por que o vosso nome, Rvekeyll, "Rvekkeyll"? Por que o vosso nome, Sa My Na, "Sa My Na"? Por que o vosso nome, An Ya El, "An Ya El"? Por que o vosso nome, Ran, "Ran Zya As De Be Re El"? Por que o vosso nome, Bayn, "Bayn My An Sy De"? Sabemos identificar todas essas palavras entre aspas sem vasculhá-las em seu sentido gramatical nos dicionários de nossas mentes, em nossos Conhecimentos Interiores Elevados, em nossas Almas Eternas Conhecedoras De Muitas Coisas? Conhecemos inominavelmente incondicionados esses nomes condicionantes do surgimento de outros nomes condicionantes? Caminhamos pelo mundo desconhecendo por conhecimento A Essência Inominável Incondicionada de tudo o que nomeamos; os humanos morrem orgulhosos de terem experimentado tudo na “existência”, outro “nome”, outra “palavra”; nós, imortais, até tu, Alynne, pois vossa Consciência Desperta há Existência vos acompanha na Caminhada Material, eternamente nos extinguimos Vendo Tudo Através Dos "Nomes". Desconhecemos A Essência Inominável Incondicionada dos “nomes” e dos "Nomes", das “palavras” e das "Palavras", e nem nos importamos em investigar porque todo “nome” e todo "Nome"; e toda “palavra” e toda "Palavra", existem. E entre as questões anteriores que citei como Verdades Eternas, esquecemos de investigar, entre os "nomes", entre os "Nomes", entre as "palavras", entre as "Palavras" as mais importante e elevada de todas: por que os "nomes", os "Nomes", as "palavras", as "Palavras" Anjo, Arcanjo, Demônios, Deuses, Deus Único, Pai, Pai Inominável Desconhecido, Ele, Pai Em Sopro?

Nenhum comentário: