terça-feira, novembro 14, 2006

Raízes De Humanas Sangrias


Seria a dor dela mais uma humana dor se não me chamasse a atenção nesta inominável floresta alemã onde hoje estou. Uma humana filha da Deusa Natureza chora, humana filha que A cultua como Iniciada em Artes Místicas. Conheço esta humana filha da Deusa Natureza. Esta humana filha da Deusa Natureza conhece-me. De existência a existência dela, nós nos encontramos. Ela está na Escadaria Mística Do Olho Celeste Da Natureza Cósmica, em Ascensão Evolutiva. Ela é uma humana suprerior. Detentora de dons que a si mesma doou após vidas dedicadas ao Ato Místico De Amor À Deusa Natureza, vejo-a chorar hoje. Alynne Christenssen, que jamais chorara desde que nas terras britânicas iniciou a sua Caminhada Mística No Caminho Da Natureza Cósmica bem antes dos romanos às ilhas britânicas chegarem, surpreende-me hoje nesta inominável floresta.

- Alynne, enxugai as suas lágrimas.
- Asin, eu não posso.
- Alynne, deixai-me...
- Tu não podes!
- Alynne...
- Deixai-me, Asin!
- Não, tu Cantas E Danças Com O Bailar Natural Cósmico e Sabes que as lágrimas são motivos para bençãos e não para sofrimentos.
- Tu entendes muito de sofrimento humano, Asin?
- Meu sofrimento eterno é o infinito elevado de todos os sofrimentos humanos.
- Não, tu não és um humano, jamais serás um humano e jamais compreenderás um humano...
- Deixai-me compreender-te agora, Alynne...
- Tu já Sabes, Asin, Anjo Noturno Inominável, porque aqui estou sentada a chorar sob a sombra desta árvore! Quer que eu...
- Filha Da Natureza, acalma-te...
- Acalmar Alma Eterna ferida não serve para amansar as dores de um corpo ferido!
- Alynne, o que ocorrestes contigo...
- Uma Prova Do Alto! Uma Prova Do Alto para que eu demonstre ser digna de estar Ascendendo em uma Escadaria? É uma Prova Do Alto eu ter sido hoje de madrugada violentada por quatorze homens neste mesmo lugar onde estou? Vês o meu rosto? Vês o meu corpo desnudo? Como achas, meu amigo de muitas existências, que eu, eu, "Iniciada Da Natureza Cósmica", estou agora a me sentir? Como tu achas?
- A Deusa Natureza...
- Me traiu, traiu, veja ali à frente os corpos de minhas sete amigas, também estupradas!
A quarenta metros de nós, um amontoado de cadáveres, desnudos, corpos destroçados pela fúria de dez insanos homens desmerecedores do epíteto de homens.
- Fui poupada porque acharam que eu não sobreviveria... Veja o sangue a escorrer todo de mim, Anjo Noturno Inominável... Veja-me... Veja-me doente... Veja-me acabada... As raízes que eu tinha com a Deusa Natureza... Pelas Deusas Do Alto, não, não... A Mãe, A Mãe Cósmica... Fui traída... Fui traída... Traída...

Alynne chora com mais potência.

Eu me ajoelho diante dela e abraço-a.

O sangue de seu corpo violentado mancha minhas vestes.

Minhas asas abrem-se sentindo-lhe as despidas dores d'alma.

A Deusa Natureza chora mais forte...

As palavras de Layan e Faradyr guiaram-me até aqui.

Caminho Do Guerreiro Pacífico...

Continuar Ouvindo O Choro Da Natureza...

As palavras...

As minhas respostas...

A Resposta para o meu Primeiro Verdadeiro Passo em minha Nova Caminhada.

- Alynne, tu estarás no Seio de Nosso Pai Em Sopro. Dê-me vossas mãos, lágrimas, sangue, dores, mágoas. Dê-me vossa vergonha por ter tido vosso corpo ultrajado. Dê-me vossa revolta por ter tido vossas amigas executadas. Dê-me vossa revolta contra a Deusa Natureza que tu pensas que a traiu. Ela, A Mãe Das Coisas No Grande Esquema Da Criação, até ti guiou o bater das minhas asas caídas. Dê-me vossas mãos. Segure-se em minhas asas. Preparar-te-ei a vossa retomada da Subida em vossa Escadaria Ascensória Evolutiva. Chore, grite, revolte-se sob as minhas asas. Contigo serei vossos choros, vossos gritos, vossa revolta.

Nenhum comentário: