domingo, novembro 26, 2006

A Missa Dos Loucos Anjos Caídos - Parte VI


- O que mais veio a impressionar os Anjos Caídos, como há muito já dito, Asin e Alynne, foi o Império Carnal, as satisfações sexuais que todas as Humanidades possuem como maior ponto de suas civilizações. Não quero ser repetitiva, a novamente tocar neste ponto que a Awan é reservado, mas devo contar-lhes a história de uma trágica Bebedeira Existencial. Para a Alma Eterna da personagem real de minha história, o Liebesträum jamais foi uma melodia audível. Ela, pois se trata de uma criatura feminina de vossa raça humana, Alynne, sobreviveu às bebedeiras de infeliz infância nas quais era violentada pelos pais. Sim, violentada pela mãe. Sim, violentada pelo pai. Apenas os seres humanos são capazes se tais bebedeiras aberrantes. Apenas os seres humanos são assim tão capazes de crueldades que nenhum dos Anjos Caídos Da Luxúria é capaz de praticar diretamente, mas indiretamente através da inspiração dada pelos seres humanos. A criança a ter brindada a sua infância com a manipulação direta de seu templo carnal, sem a proteção dos vários "grandes institutos de amparo à criança e ao adolescente", tornou-se cópia exata da mãe bêbada em sua luxúria monstruosa, do pai bêbado em sua luxúria monstruosa. Ber falou-lhes que o com crianças não era um crime antes das normas morais religiosas vigorarem. Para a vossa Humanidade, Alynne, tão moralmente falida, tal prática tornou-se crime hediondo. Mas, Alynne, atente-se bem à história de uma bebedeira carnal que eu estou a contar-lhe... A dita criança adorava o sexo com a mãe... A dita criança adorava o sexo com o pai... E cresceu adorando o sexo com a mãe... E cresceu adorando o sexo com o pai... Até os primeiros momentos, tal prática sexual era, conforme os padrões morais-religiosos, uma violência, mas tornou-se para aquela menina corrompida um prazer. Ela desenvolveu-se mulher, continuar a praticar sexo com a mãe, continuou a praticar sexo com o pai... Relacionava-se com muitas outras mulheres... Relacionava-se com muitos outros homens... Aos quinze anos percebeu que poderia continuar em suas bebedeiras sozinha e fugiu de casa, antes matando aos pais a facadas e machadadas. Amoral e rude, animalesca e totalmente voltada apenas para os seus instintos, ela atravessou fronteiras, utilizando seu corpo como forma de ajuntar recursos e chegou ao nobre país da "Águia Da Liberdade", aquele "império" de barro que se acha "senhor do mundo contemporâneo". Seu destino, já aos dezoito anos, foi um luxuoso bordel na "Cidade Dos Anjos", que é A Cidade Maior Dos Anjos Caídos Terrestres. Seu corpo, sua beleza, seu cativante sorriso, abriam-lhe todas as portas e ela abria as pernas para todos os mais poderosos homens do "faustoso império do norte". Sua vagina bebia de toda bebida dos mais sujos e baixos homens, sujos e baixos apesar dos imensos carros, das imensas fortunas, das imensas mansões. Seu cu era bebida de muitos paus embebidos em vícios, paus de "indivíduos da alta sociedade", de "grandes homens", a nata do "País Da Liberdade" . Seus seios eram dedicados à bebida do despejamento das bebidas dos prazeres de homens guiados apenas a desejá-la como objeto ou como um simples papel higiênico a ser no cu utilizado e jogado fora. Foram sete anos os anos de glória daquela mulher, uma Lilith Contemporânea, uma Filha Verdadeira Da Lua Negra. Sete anos de glória, de riqueza, de foda pura, apenas foda, viva a Bebedeira Da Luxúria! Sete anos que acabaram-se com uma bela bala na têmpora esquerda... Suicídio, ela, com toda a sua glória de prostituta de dois mil e trezentos e nove homens e duas mil e quinhentas e sete mulheres em vinte e cinco anos, não suportou A Bebida Da Solidão casada com A Bebida Da Infelicidade e amante da Bebida Da Loucura... Solidão Espiritual, Infelicidade Espiritual, Loucura Espiritual... Aquela mulher, aquela prostituta, acompanhei em sua Bebedeira e nas bebedeiras menores, aquelas do copo de vodka, vinho ou conhaque. Aquela mulher, aquela prostituta, vi em muitas mulheres como ela em todos os continentes terrestres, que desde crianças eram iniciadas na Bebedeira Da Luxúria. E o que os demais humanos fazem quando percebem que necessitam de auxílio tais crianças? Alguns humanos apiedam-se. Outros, auxiliam. Muitos, ignoram, esquecem, desprezam. Bela é a Humanidade e A Bebedeira Da Desumanidade! Belíssima Desumanidade! Sim, Alynne, muitas prostitutas não tiveram infâncias como a da mulher, a da prostituta, que durante vinte e cinco anos eu acompanhei! Essas se prostituem por dinheiro ou pelo simples prazer da Bebedeira Da Luxúria em realizar fantasias sexuais com homens e mulheres de todos os tipos! Sei que "mocinhas de família", ricas, abastadas, tornam-se prostitutas para serem independentes diante dos pais! Sei que alguns pais prostituem as suas filhas, e filhos! Porém, Sei que a maioria humana muito não se importa com a prostituta oferecendo-se na esquina, nos bares, nas praias! Prostitutas de qualquer idade! Prostitutas de qualquer país! Prostitutas de todas as raças! Prostitutas de todas as cores! As condenações são gigantescas! O amparo possível para retirar as prostitutas de suas quedantes existências é gigantesco? Uma palavra de afeto a uma prostituta em sua quedante existência é alguma vez pensada por um indivíduo "decente" da sociedade? Uma mão amiga, fraterna, paterna, materna, de qualquer indivíduo "moralmente bom e correto na sociedade", "cumpridor das leis", com altíssimos recursos financeiros, é extendida a meninas que, corrompidas, podem se tornar prostitutas quando adultas? Alynne, tu Sabes as respostas... Respostas a condenarem a vossa Humanidade...

Zaah ingere ao mesmo tempo duas garrafas de vinho.

Alynne abaixa a cabeça, envergonhada por ser humana.

As prostituições humanas não se reduzem apenas à do corpo.

Há a prostituição das vontades.

Há as prostituições dos interesses.

Há as prostituições do caráter.

Há as prostituições dos comportamentos.

Há as prostituições das...

Se falar de prostituição em geral é classificar certos individuos humanos...

Então...

Não resta dúvidas.

Eu não sou mais um Anjo Caído de dúvidas.

Mas, ainda as tenho ouvindo a esta Missa...

Missa que me faz recordar das Cruéis Humanas Verdades...

A maioria humana não costuma erguer muito as mãos em ato de caridade.

As mãos foram mais extendidas, durante toda a História Terrestre, para o Amor A Kain.

Amor à indiferença.

Amor ao desprezo.

Amor ao desamor para com os destituidos de esperanças...

2 comentários:

Defensor, O Maldito disse...

Saudações
Esses posts estão bem... fortes!
Realmente, a maior das prostituições é a falta de moral. É não ajudar o próximo, sem interesse algum. Atos de caridade e benevolência são escassos neste mundo cruel e pervertido pelas paixões humanas, mas prefiro pensar que ainda existem pessoas que se importam com o próximo.
Abraços

Göttlicher Teufel disse...

amor!!!
dificil de defenir