terça-feira, outubro 24, 2006

Meditações Em Inominável Praia - Parte VIII


Os sonhos dos seres humanos quando adormecem devem ser belos. Os sonhos dos seres humanos, os sonhos que são viagens pelos Vales Do Éter, são as Mensagens Do Criador aos Seus Seres Moldados Em Seu Útero. Anjos não sonham. Anjos Elevados não sonham. Anjos Caídos não sonham. Anjos, Os Elevados e Os Caídos, não adormecem, seja na inominável areia de uma inominável praia como esta, seja em inominável barro de inominável rua sem asfalto, seja em inominável neve de inominável montanha de região gélida. Adormecer, Adormecer No Grande Despertar Cósmico Do Relógio Inexorável Do Tempo, seria como apagar-se da Existência Eterna e integrar-se ao Verdadeiro Nada Verdadeiro. Adormecer em leitos de vida ou em leitos de morte não é da Senda Angélica Elevada Dos Anjos Elevados e nem da Senda Angélica Quedante Dos Anjos Caídos. Anjos Estão Despertos No Despertar Grandioso Das Grandezas De Todas As Esferas. Assim como não sonhamos quando Elevados, não temos pesadelos quando Caídos. Nossos Olhos Estão Abertos Para Toda Abertura Em Todas As Coisas. Os Olhos Elevados, Os Olhos Caídos, igualmente Vêem Todo Despertar. Meus Olhos Caídos Vêem a minha falta de Luz Maior, Inominável Luz Maior. Desperto, eu me tenho em uma Realidade Caída de inomináveis realidades minhas. Sou prisioneiro desse Despertar meu. Sou areia, inominável areia prisioneira de uma inominável praia distante de toda multidão de águas mais acalentadoras e calorosas.

- Acalentar e consolar os corações humanos, Pad, seria tarefa de grandiosa integração para com as Metas Do Alto. Vi Anjos Caídos, com mais Luz do que eu, dando-se a tal tarefa. O desejo desses nossos Irmãos Caídos é o do Retorno Ao Alto. Os que querem Retornar Ao Alto, Pad, servem-se de tal tarefa. Não chorei pelo choro humano, Pad. Não sofri pelo sofrimento humano, Pad. Minhas lágrimas todas foram para Lydyan. Meu sofrimento todo foi para Lydyan. Meu desespero todo é por Lydyan...
- O que vês, Asin, quando as ondas desse inominável mar à nossa frente bate nas inomináveis areias desta praia?
- As inomináveis areias recebem todo o beijo das águas.
- Os Anjos Caídos dos quais fala receberam dos humanos O Beijo Do Amor Verdadeiro. As orações de auxílio dirigidas ao Nosso Pai Em Sopro em prol dos humanos fizeram-nos amados pelos humanos. Muitos humanos crêem nos Anjos Elevados e nos Anjos Caídos. O mais desesperado dos humanos, o mais sofredor dos humanos, faz no silêncio de seu leito frio um silencioso pedido de auxílio, sincero, ao Nosso Pai Em Sopro. Anjos Elevados como nós fomos, Asin, atendem-no. Às vezes, Anjos Caídos como nós somos, Asin, atendem-no. Os humanos são as ondas de um mar de dores de muitos nomes e muitos sobrenomes. Os Anjos, Os Elevados e Os Caídos, são inomináveis areias que precisam do Amor que muitos seres humanos a eles dirigem. Estivemos a passar por sofredores humanos que pediam uma Mão Maior para erguê-los e tu te negastes a ergueres a tua, Asin.
- Sabeis bem que as minhas e as vossas Mãos já não são Maiores, Pad.
- Mesmo Menores, as Mãos Dos Anjos Caídos São Mãos Que Velam E Valem Pelo Vale Da Caridade Denominado Vale Dos Verdadeiros Seres Da Verdadeira Verdade. Amar aos sofredores humanos faz Daqueles nossos Irmãos Caídos muito mais do que Anjos Elevados, pois Estes não se situam permanentemente na Matéria e Aqueles, mesmo diante das vibrações e outros chamados materiais, se dignificam esquecendo-os e auxiliam aos que choram. Eles amam os que auxiliam, admiram os que auxiliam, choram pelos que auxiliam. Possuem, alguns, amores carnais que se foram eternamente da Terra, retornaram ou ainda surgirão em Suas Novas Caminhadas. Diferentemente de vós, Asin, Eles não se concentram em apenas um Ser Material. Todos que derramam uma lágrima são-lhes dignos do Amor Verdadeiro que Eles possuem, o qual é uma variação do Amor Celestial, materializado. Não Retornarão Ao Alto neste aeon. Não Retornarão Ao Alto em muitos aeons à frente, inumeráveis. Mesmo sabendo que aqui continuarão Caminhando e enxugando lágrimas humanas, Eles se alegram quando um daqueles aos quais auxiliou sobe O Primeiro Degrau De Uma Das Infinitas Escadas Da Ascensão Existencial Até O Alto. Eles se alegram quando um ser humano pode se tornar um Anjo e subir Aqueles Outros Degraus Até O Nosso Pai Em Sopro.
- Meus pés estão sujos demais, eu não quero Retornar.
- Eu também não quero Retornar, Asin. Somos agora Filhos Da Matéria. Somos lobos materiais devorando as nossas próprias carnes que no Ontem Angélico Lá No Alto foram Carnes Imateriais.
- Eu a tornei isso...
- Nós, Asin, nos tornamos isso. Tu, com o vosso egoísmo. Eu, com as minhas lágrimas.
- Ficarei aqui agora... Não mereço mais a Lydyan...
- Tu a mereces, Asin.
- Tu mesma questionou-me sobre o meu Amor por ela, Pad. Por que me dizes isso agora?
- Vosso Amor serviu-lhe para demonstrar-te que tu nunca fostes um Verdadeiro Filho Do Alto. A minha Queda junto convosco serviu-me para demonstrar-me que eu nunca fui uma Verdadeira Filha Do Alto. Tu não procuras Retornar. Eu não procuro Retornar. Vosso Amor e todas as agruras que durante cinquenta mil anos tu sofrestes e que nestes trapos que carrego estão, Asin, tornaram-te um Filho Do Baixo. Com os Vossos Trapos, eu me tornei uma Filha Do Baixo. Lydyan retornou para o Baixo quando se preparava para subir O Sétimo Degrau Da Escada Dos Deuses Até O Nosso Pai Em Sopro. Ela, por ti, Asin, retornou ao Planeta Terra, uma das Esferas Baixas mais atrasadas. Isso é Amor Verdadeiro, eu reconheço. Mas, tu, Asin, reconheces também o vosso erro em não ter estendido suas Asas e Mãos para os sofredores humanos. Não adiantará ficar aqui nesta inominável praia eternamente sentado. Não adiantará Caminhar mais à procura de Lydyan enquanto o Vosso Olhar apenas em Lydyan estiver. Não sou vossa amiga, como lhe disse. Não sou vossa inimiga, como lhe disse. Não voltarei a ser vossa amiga, como lhe disse. No entanto, eu lhe conduzirei ao estender de Vossas Asas e Mãos na direção dos humanos sofredores. Tu te purificarás do vosso egoísmo agindo assim, Asin. Tu, purificado, poderás, então, continuar a procurar a tua Lydyan. Tu, purificado, isento de toda mancha de erro existencial, poderás beijar a tua Lydyan.
- Por isso, Ele e Eles não me permitem ainda reencontrá-la...
- Ele e Eles dão também Provas E Libações aos que Caem. Vosso egoísmo foi uma Prova. Vossa purificação será uma Libação.
- A Libação em prol da Humanidade pela qual eu me ceguei, A Humanidade Sofredora, A Humanidade Dos Sofredores Humanos.

As ondas do inominável mar mais fortes...

Fortes estão elas...

A inominável areia sobre a qual estou sentado mais inominável...

Inominável mais ela está...

Pad está revelando-me o que meus Olhos não queriam revelar-me...

Ou eu disso tudo já sabia e me enganei acreditando inominavelmente não saber?

Fortes ondas...

Areia mais inominável areia...

Meu Pai Em Sopro, esta inominável praia revela-me em um eterno fosso!

O fosso no qual arrastei comigo Pad!

Purificar-me...

Posso purificar-me...

Mas, de onde retirar a força para desta inominável areia erguer-me?

De onde retirar a razão para desta inominável areia desprender-me?

Nenhum comentário: