domingo, outubro 22, 2006

Meditações Em Inominável Praia - Parte V


Sentada perto de mim, Pad, finalmente, perto de mim após cinquenta mil anos. Assim, Pad parece-me a encontrada sombra minha nas sombras todas de minha Caminhada Terrestre. Nós dois, na Matéria, ouvimos A Canção Dos Caídos, Aquela Canção Perdida De Todos Os Perdidos Cantores A Estarem Pelas Esferas Caídos. Nós dois, eu e Pad, percorremos as sombras, as Filhas Das Sombras Eternas Da Criação, As Sombras Eternas Que Encobrem Mais Aos Anjos Caídos. Caídos em nós mesmos, Caídos por nós mesmos, Caídos... Pad não era para ser um dos Caídos e tão próxima de mim agora, tão próxima revestida com os trapos que são os trapos d'alma minha, mais nas Sombras me encarcera... Os trapos me encarceram a Pad... Os trapos encarceram Pad a mim... Os trapos nos encareceram nas Sombras...

- Encarcerar-se nas Sombras, Asin, é a Trilha Eterna Dos Seres Materiais Que Querem Os Cárceres Das Sombras Em Si. Quanto mais nós, que fomos da Imaterialidade, Caminhamos Caídos na Matéria, mais as Sombras nos atraem. Por tua culpa, eu, que Sorria O Sorriso De Todas As Esferas Caí. Por tua culpa, eu, que Amava Todos Os Amores Verdadeiros Do Alto E Do Baixo, não sei mais amar nem ao brilho do sol a iluminar a Terra na qual Caminhamos Caídos. Os Crimes Dos Anjos Caídos São Livros Puros De Cinzentas Verdades Encarcerantes Mais Do Que As Sombras Eternas. Vosso Crime, Asin, em mim obteve resultados, Resultados Eternos, deixei de ser um Brilhante Anjo Dourado e agora sou este Sombrio Anjo Caído De Trapos. Tu sabias que a tua Lydyan não viveria eternamente, a Magia que ela utilizava limitada é pelos Ares Materiais. Tu sabias disto, Asin, mas resolvestes Cair e contigo arrastar-me.
- Escolhi Lydyan por que A Liberdade...
- A Liberdade Angélica, A Liberdade Celeste, A Liberdade Cósmica, enfim, A Face Da Liberdade Que É Uma Das Faces Do Nosso Pai Em Sopro nada possui de próximo à vossa Queda, Asin. A Face Da Liberdade Criadora nada possui de próximo às Quedas Angélicas, Anjos Caídos Usaram De Suas Liberdades Interiores Que Nada Mais São do Que A Arrogância Nascida Da Matéria A Ser Elevada À Imaterialidade. Tu e todos os que Caíram invejaram aos Seres Materiais. Estes, senhores de suas próprias Caminhadas, escolhem ou as Luzes ou as Trevas para Caminharem Eternamente. Nós, que já fomos Anjos Elevados Nascidos Diretamente Do Útero De Nosso Pai Em Sopro, não possuimos O Caminho Da Escolha e, por isso mesmo, a nossa Evolução Completa nos posicionava Nele. Porém, os que Caíram, como tu, Asin, queriam mais do que Eternamente Ficarem Integrados Ao Nosso Pai Em Sopro. Os Seres Materiais podem amar e odiar nas mesmas proporções. Os Seres Materiais podem construir e destruir nas mesmas proporções. Os Seres Materiais podem ir e vir de todos os horizontes de suas liberdades interiores nas mesmas proporções. Os Seres Materiais podem mudar de Vestimentas Corpóreas de existência a existência, sempre a experimentarem cada vez mais novas sensações e aprendizados. Os Anjos Caídos almejaram, almejam e almejarão toda a liberdade interior dos Seres Materiais, assim como todas as condições proporcionadas por tal liberdade. Esta é egoísmo, egoísmo puro, pois faz com que valha mais o si mesmo do que O Imenso Nós Do Kosmos Em Nosso Pai. O egoísmo, Asin, o pensar apenas na própria liberdade e não na Liberdade Evolutiva Em Nosso Pai Em Sopro que cada vez mais celebraria todas as Glórias Do Alto, é, foi e será sempre o motivo de todas as Quedas Angelicais.
- Não foi o egoísmo, o mais bruto egoísmo, Pad, que levou-me a Cair. A Celebração Eterna Das Glórias Do Alto São Para Aqueles Que Se Integram Ao Celebrar Do Pai Em Sopro De Todos Nós Além Do Face A Face. A Face Dele Víamos, Pad, tão Gloriosa, tão Afirmadora De Todas As Coisas, tão Coroante De Todos Os Existires, e pensavámos que Toda Ela Era Tudo. Egoísmo não me levou a Cair, Pad, mas foi a falta da minha própria Glória, Afirmação E Coroa De Celebrações Ao Meu Existir Como Eu Mesmo E Não Como Ele. Ao conhecer Lydyan em praia como esta, ao ter Lydyan como aquela que me deu a certeza de que eu era realmente um Ser Existente e não absorvido no Nada Que Tudo É Do Nosso Pai Em Sopro, encontrei a minha Glória, a minha Afirmação e a minha Coroa, mesmo que Caídas. Essas minhas Glória, Afirmação e Coroa são-me mais válidas do que Eternamente Ficar A Ver A Face Criadora E Estar No Ser Criador. Não pensei em mim apenas quando Caí, Pad, em ti pensei, pois me acompanharias eternamente na Terra. Tu aprendestes o que aprendi, longe, jamais a aproximar-se. Tu, Pad, sabes dos ricos Aprendizados Eternos que a nós foram destinados nesta Nova Caminhada Eterna nossa. Tu aprendestes, mas te recusas a querer ver a tua Glória, a tua Afirmação, a tua Coroa.
- Glória De Trapos. Afirmação De Trapos. Coroa De Trapos. Os Vossos Trapos, Asin, em mim. Como eu vos disse, contaria-te a minha História Das Quedas, bem diferente da vossa História. Aprendi, Asin, que são os trapos As Verdadeiras Histórias Dos Anjos Caídos. Os acompanhantes de vós todos, Anjos Caídos, são Anjos Caídos De Trapos. Vós sabeis o porquê de sermos Anjos De Trapos. Vós, Anjos Caídos Que Arrastaram, Arrastam E Arrastarão A Todos Que Não Estão Na Senda Do Cair, todos como tu, Asin, receberam pelo vosso Crime de abandonarem Nosso Pai Em Sopro os trapos de vossas egoísticas sendas de libertação. O vosso Amor por Lydyan resultou nos trapos de vossa Dor Eterna que eu carrego. O vosso Amor pelos filhos que teve com Lydyan resultou nos trapos de Mais Dor Eterna que eu carrego. O vosso Amor pelos vossos amigos atlantes resultou nos trapos de Mais Ainda Dor Eterna que eu carrego. O vosso centralizar-se nestes trapos aqui que eu carrego, Trapos Da Vossa Dor Eterna, pesam-lhe existencialmente e cegaram-lhe para Verdades que eu aprendi, Verdades que vós não quereis ou não tens a vontade de observardes. Tu és egoísta, Tan A Tos correta disse-lhe isto e eu, correta, digo-lhe também. Diante de todas as mazelas humanas que nós assistimos, tu te mantivestes apenas a pensar em Lydyan. Vosso Segundo Crime, Asin, foi ter negado auxílio aos humanos sofredores, sofredores que, quando nós erámos Anjos Elevados, auxiliavámos. Não pude auxiliá-los por causa de ti, já que os vossos Trapos que eu carrego apenas obedecem ao vosso agir e não-agir. Aprendi contigo, Asin, a ser indiferente para com dores muito maiores do que a tua, a minha e a de todos os Anjos Caídos e seus Acompanhantes Eternos. Tu fostes meu mestre em trapos do que hoje sou, do que neste Hoje para o qual me arrastastes eu sou.

Pad correta estás.

Pad corrige-me em meu próprio trapo de cego.

Pad liberta as Verdades que neguei durante cinquenta mil anos.

A Queda tornou-me um Filho Da Matéria Em Todos Os Sentidos Contidos Em Ser Um Filho Da Matéria.

A Queda me fez um egoísta...

Não, eu como Anjo Elevado adquiri o vício material do egoísmo.

Antes de pensar em Lydyan, pensei em mim mesmo, em mim mesmo como Fora Do Meu Pai Em Sopro, livre para fazer tudo o que eu quiser.

Assim é com os Anjos Caídos.

Assim é, pois que maiores motivos haveriam para que Seres Imateriais Em Plenitude No Criador escolhessem Cair?

Cegueira minha deve findar-se.

Sou um egoísta.

Um imortal que foi um Anjo Elevado egoísta.

Um Anjo Caído egoísta como todos os Anjos Caídos.

Nenhum comentário: