quarta-feira, outubro 18, 2006

Meditações Em Inominável Praia - Parte II


Eu queria ter um anjo
Para um momento de amor
Eu queria ter o seu anjo essa noite

Dentro de um dia de morte
Eu estive um passo fora
De um coração inocente
Prepare-se para me odiar
Essa noite vai machucá-lo como nenhuma antes
Velhos amores são difíceis de morrer
Velhas mentiras mais ainda

Eu queria ter um anjo
Para um momento de amor
Eu queria ter seu anjo,
Sua Virgem Maria desfeita
Estou apaixonada pelo meu desejo
De transformar asas de anjo em pó
Eu queria ter o seu anjo essa noite

Eu estou caindo tão frágil e cruel
O disfarce das bebidas muda todas as regras
Velhos amores são difíceis de morrer
Velhas mentiras mais ainda

Eu queria ter um anjo
Para um momento de amor
Eu quero ter seu anjo,
Sua Virgem Maria desfeita
Estou apaixonada pelo meu desejo
De transformar asas de anjo em pó
Eu queria ter o seu anjo essa noite

Última dança, primeiro beijo
Seu toque, minha felicidade
Beleza sempre vem acompanhada
De pensamentos sombrios

Eu queria ter um anjo
Para um momento de amor
Eu queria ter seu anjo,
Sua Virgem Maria desfeita
Estou apaixonada pelo meu desejo
De transformar asas de anjo em pó
Eu queria ter o seu anjo essa noite

Dia inominável se vai desde que ouvi essa música do Nightwish em um show inominável de um grande e sombrio local inominável. Eu Queria Ter Um Anjo... I Wish Had An Angel... Ou, como inominavelmente procedo em meu Inominável Caminhar, essa letra representa uma verdadeira interpretação do lado mais conhecido da História Da Queda Dos Anjos que ocorreu, que ocorre, que ainda ocorrerá. Em todas as Esferas, Meu Pai Em Sopro moldou à semelhança dos Anjos os homens e as mulheres de todas as Humanidades. Há apenas uma Humanidade e as várias diferenças físicas, as inumeráveis diferenças físicas são pequenos inescapáveis detalhes da Evolução De Todas As Criaturas. Humanos, como os Anjos, dotados foram pelo Princípio Masculino Da Força Evolutiva Da Criação e pelo Princípio Feminino Da Força Evolutiva Da Criação. O Feminino Ente Moldador, A Face Mãe Do Meu Pai Em Sopro, Que Antes De Ser Um Pai É A Mãe, diferentemente do que as civilizações humanas crêem, não é submissa ou está submetida ao domínio da Face Pai Do Meu Pai Em Sopro. A Mulher Moldada, A Precursora Sagrada De Todas As Coisas Moldadas Em Evolução Até O Retorno Ao Pai Que Também Mãe É, jamais deveria ter sido subestimada pelo Homem Moldado, o qual é lhe apenas participante do Moldar. Não há atritos, nas Moradas Ocultas Do Alto, entre os dois Princípios. Aqui no Baixo, as vaidades e as diferenças que inexistem entre os homens e as mulheres criaram o mito da inferioridade feminina conjuntamente com o mito da superioridade masculina.

A mulher ou homem, envoltos na Matéria, não foram os culpados por todas, algumas ou muitas das Quedas Angelicais, inúmeras ao meu Olhar no Ontem, no Hoje, no Amanhã. Os Anjos Filhos Da Face Pai com mulheres e com homens carnalmente uniram-se. Os Anjos Filhos Da Face Mãe com homens e com mulheres carnalmente uniram-se. Sei a origem disso, foi o ciúme dos Anjos por causa do fato dos seres humanos se perpetuarem que inspirou-lhes a, unindo-se aos Seres Materiais, gerarem filhos que ainda são conhecidos como Os Negados Pelas Luzes E Pelas Trevas. Além da procriação, houve o interesse também na experimentação da união entre Seres do mesmo Princípio. Iniciou-se com os Anjos Filhos Da Face Pai o amor de um homem por outro homem. Iniciou-se com os Anjos Filhos Da Face Mãe o amor de uma mulher por outra mulher. Monstros não foram gerados materialmente em nenhuma dessas uniões. Os filhos de Anjos com os Seres Materiais não são Deuses e nem Espíritos Elevados. Não possuem Moradas e nem encontram repouso em uma Esfera, vagam todos pelas Esferas apenas em contato com os seus Pais Anjos Caídos. Não evoluem. São negados pelo Meu Pai Em Sopro, o qual, por causa disso não é cruel e nem passa a ser bom como eu ouço os humanos chamarem-No. Ele é O Nada Manifestando-Se Em Infinitas Fontes De Poder E É Indefinível.

Os Anjos Caídos quiseram ser Todo, quiseram ser definíveis, quiseram ser senhores de suas Caminhadas. O prazer com a carne material substituiu neles o prazer com a Imensidão Celeste Da Carne Espiritual Ao Pai Unificada. Muitos deles apenas iniciaram e seguiram em suas Quedas os imensos céus e abismos dos prazeres carnais, do sexo puro, da procriação que ainda hoje ocorre, até mesmo neste mundo, entre Anjos Da Face Pai e mulheres, entre Anjos Da Face Mãe e homens. Poucos dos Anjos Caídos amam, amaram e amarão aqueles que escolhem em sua opção por do Alto Caírem.

Esta praia... Eu Queria Ter Um Anjo... I Wish Had An Angel... Vi Lydyan pela primeira vez em uma praia da perdida Atlântida, nua saindo do mar e eu sentado como agora estou, ainda sendo um Anjo à Terra recentemente chegado. A nudez daquela morena beleza disse-me muito mais do que as Eternas Belezas Do Alto... Inexplicável é para um humano mentalmente superior em muitas coisas além da simples Materialidade tentar encontrar um significado possível para que um Ser Elevado Naquele Que É O Pai De Todos Em Sopro pudesse ser guiado ao Baixo por meros impulsos materiais que não fazem parte de sua Natureza Celeste. Inexplicável é para mim até hoje tentar encontrar uma explicação para o significado daquela celeste visão do Baixo. A sensação foi inominável... Minhas asas caíram, a minha espada de Anjo Noturno, cuja Lâmina Celeste era capaz de dilacerar Tecidos Universais em infinitos minúsculos fragmentos, ergui tentando entender porque aquilo me atingia tanto... Lydyan, nua, naquela praia, saindo do mar, em minha direção, não temeu a minha espada erguida contra ela. Ela se aproximou com o sorriso que apenas as Verdadeiras Deusas possuem... Como, como, como, lembro-me daquele dia, O Dia Eterno De Minha Queda! Uma espada ocultada eu ergui para Lydyan e sobre as areias daquela atlante praia inominável nós nos amamos, nos amamos pela primeira das inúmeras vezes que naquela areia nos amamos. Era dia, mas uma Noite Inominável encobriu-nos e eu perdi a minha condição de Filho Do Alto. Naquela Noite Inominável, de inomináveis proporções, de inomináveis lembranças, como, como, como eu me senti nascer nos braços sedosos de Lydyan e em todo o corpo celeste de Lydyan que representou para mim naquele Dia, Dia Inominável Da Minha Ascensão Ao Amor Além Do Alto, E Até Além Dele, A Minha Verdadeira Mãe Em Face Verdadeira!

Mãe E Mulher, assim Lydyan para mim É.

Mãe por me dar à Luz De Seu Luzidio Existir.

Mulher por me envolver no Seio De Suas Sendas Feminis.

Minha Missão inicial na Terra era apenas observar o desenvolvimento da grandiosa Civilização Atlante.

Mas, eu Caí do Alto.

Abandonei toda Missão minha com o Meu Pai Em Sopro.

Ascendi na Matéria como Anjo Caído através da carne, como inúmeros de meus Irmãos Diurnos e Noturnos.

Mas, fui mais feliz na carne do que na Éterea Eternidade Das Altas Esferas Do alto!

Por Lydyan, minha amada Lydyan, e pelos filhos que tivemos quando eu não era mais do Alto, admiti Cair!

Amo mais do que a carne de Lydyan!

Amo O Alto Ser de Lydyan, que ao envolver-me nos braços naquela atlante praia atraiu-me para a sua Morada!


Um comentário:

Ni disse...

MEMÓRIAS (II)

**Nin@**

Memórias são páginas de emoção guardadas.
Pelos nossos abraços escritas e assinadas.
Pedaços de saudades imortalizadas... em brumas preservadas.
São vida revivida pelo coração em cada batida.
E tantas, tantas vezes, refúgio da solidão..
Quando o vazio do agora me causa arrepio...
Memórias não são histórias...
São reais, sinais, do que fomos e poderemos ser.
São vitrais... sagrados portais...
Que se abrem a quem os souber entender.
Eu estou do lado de lá do cristal...
Ele é só ilusão...
Se me quiseres sentir, tocar... estende a mão.
Eu sou a tua memória tão próxima, porém com raiz noutra dimensão...
Distante...
Desfocada, mas constante
Viemos da mesma esfera...
E junto ao mar vou ficar à tua espera...
(Até à sétima maré, da sétima lua ,da sétima era...)

©Nin@
14/4/2002

A praia é o ponto de encontro. Ainda hoje. Assim como amanhã.

Ni*
Lisboa