quinta-feira, novembro 16, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXXII


Next In Line - Cameron Gray


O Divino Que Sou
Não Se Limita
Às Cinzas Que
Me Descrevem
Em Vossos Livros
Fadados Sempre
Ao Eterno Vazio.
Não Estou Nos
Que Vós Chamais
Livros Sagrados,
Sou Chama Inapagável
De Um Livro
Que Eternamente
Está Sendo Escrito.
Não Sou Determinado
Por Materiais Palavras,
Sou O Indeterminável
No Verbo Fátuo
Que Conjugo Junto
Com Os Versos
Da Minha Poesia
Sempre Inexplicável.
Não Me Busque
Nas Cinzas Dos Livros
Que São Defendidos
Pelos Comedores
De Cinzas Cegantes
Ao Vosso Lado,
Diante De Vós,
Atrás De Vós
E Em Vosso Redor.
Não Me Busque
Em Palavras Determinadas
A Serem Apenas
Matéria Incendiável
Pela Passagem
Das Chamas Do Tempo.
Me Busque
No Livro Divino
Que Se Encontra
Na Biblioteca Oculta
Do Vosso Coração.
Me Busque
Nas Palavras Divinas
Que Se Encontram
Nos Livros Ocultos
Que São Aqueles
Verdadeiros Livros
Que Vós Deveis Ler
Em Ti Mesmo.
Leiam As Chamas
Do Divino Que Sou
Em Vosso Coração.
Escrevam Nas Chamas
Do Divino Que Sou
Na Oração
De Vosso Coração.
Formem Novos Livros.
Reformem Todos Os Livros.
E Nunca Os Vendam
Ao Vosso Mundo Já Repleto
De Tantas Cinzas Ilusórias
Que Tentam Descrever
O Fogo Que Eu Sou.




quinta-feira, novembro 09, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXXI


Coma - Cameron Gray

Escape Do Enredo
Do Fim De Tuas Forças
Dentro Do Fogo
Que Eu Sou Acima
Das Efêmeras Vestimentas
Nas Quais Tu Pensas
Buscar Altiva Segurança
E Duradoura Estabilidade.
Eu Sou A Segurança
Que Permanece Desperta
Contra Cada Perigo
Da Falta De Ânimo
Que Pode Contaminar
Cada Chama
Da Tua Eterna Alma.
Eu Sou Também
A Única Estabilidade
Possível A Todos
Que Estremecem Ao Mover
De Cada Prato
Da Balança Existencial.
Equilibro Teus Passos
E Percorro A Estrada
Toda Profunda
Das Verdadeiras Correntes
De Teus Infinitos
Múltiplos Oceanos.
Construas Em Mim
E Sobre Ti
Um Novo Enredo,
Uma Nova Estrada,
Um Novo Livro,
Um Novo Princípio
Para O Fogo
De Tua Eterna Alma.
Submeta-Se Ao Termo
Que Sobre Ti Afirma
A Expansiva Versão
De Ti Mesmo
Como Um Novo Ser
A Cada Dia.
Pense Em Cada Dia Teu
Como Novo Universo,
Presente Mundo
E Eterna Geração
Dos Muitos Caminhos
Que O Novo Pode Assumir
Em Cada Um Dos Teus
Profundos Passos
Na Estrada Existencial.
Atue Como
O Novo Personagem
De Tua Nova História
A Cada Passagem
De Tuas Caminhadas
Pelas Minhas Chamas.
Atue Como Eu Atuo.
Escreva Como Eu Escrevo.
Conte Como Eu Conto.
Sejas Uma Nova Letra
Do Incinerante Alfabeto
Das Minhas Chamas.




sábado, outubro 14, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXX


Forever Can Be - Cameron Gray


Reflito Sobre O Tempo,
Sou O Próprio Tempo,
Eterno Fogo Imensurável
Entre As Vestimentas
De Todo O Tecido
Sobre A Infinda Expansão
Sendo Moldado.
As Horas Em Chamas
Erguem As Torres
Onde Concluo
Novos Tempos.
Os Minutos Em Chamas
Erguem As Montanhas
Onde Apenas Aqueles
Que Compreendem
A Minha Passagem
Pelas Eras Eternas
Podem Ter O Direito
De Escalar.
Os Segundos Em Chamas
Manifestam Contagens
De Todos Os Tempos
No Tempo Que Sou
Em Apenas Um Momento
Que Me Expande
Em Todos Os Terrenos.
Os Milionésimos
De Segundos
Do Verdadeiro Tempo,
Este Desconhecido
Pelos Imortais
E Pelos Mortais,
São O Verdadeiro
Aspecto Do Meu
Tempo.
No Não-Tempo
Que Sou,
Na Infinita Distância
Em Relação A Cada
Efêmera Definição
Do Tempo,
Sou As Possíveis
E Impossíveis
Novas Horas
Que Nascerão.
Incontáveis Chamas
Que Nem Mesmo
Todas As Areias
Desta Criação
Se Igualam,
Eu Sou Como
O Fogo No Tempo
Revelado.
E Antes De Todas
As Passadas
E Futuras Horas Vossas,
Sou O Relógio A Bater
Nas Presentes Horas
Dos Passos Dados Por Vós
Em Direção Ao Tempo
Do Fogo Que Eu Sou
A Todo Tempo.




sexta-feira, outubro 06, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXIX


The Painter - Cameron Gray


Com Uma Chama,
Dou Vidas Aos Que
Se Situam No Final
Da Última Curva
Da Estrada Existencial.
Com Uma Chama,
Faço Revestida
Toda A Nudez
Das Primordiais Formas
Em Seu Nascer.
Com Uma Chama,
Constituo A Montanha
Em Cujo Pico,
Que Se Ergue
Em Direção Ao Meu
Ser Infinito,
Aquele Que Retorna
A Mim
Voltará A Verdadeiro
Ser Em Meu Ser.
Com Uma Chama,
Agito Cada Leito
Onde Dormem Aqueles
Sem Sorrisos
E Sem Esperanças,
Despertando-Os Para
Todas As Fogueiras
E Incêndios
De Minhas Danças.
Com Uma Chama,
Caminho Ao Lado
Dos Buscadores Fartos
De Cada Uma Das
Minhas Infinitas Chamas.
Com Uma Chama,
Dou Ainda A Todos
Que Querem Saborear
Da Minha Refeição,
A Queimar Toda
Efêmera Confusão
E Passageira Ilusão,
O Prato Cheio De Fogo
Que Meu Semblante
À Luz Do Meu Ser
Lhes Mostra
Na Saída Da Noite
E Na Porta Prateada.
Com Uma Chama,
Eu Sou Para O Todo.
Com Uma Chama,
Eu Sou O Todo.
Com Uma Chama,
Eu Sou Todos.
Eu,
Uma Chama.
Eu,
A Chama.
Eu,
A Una Chama.
Eu,
Verdadeiramente
A Única Chama.




sexta-feira, setembro 29, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXVIII


Souvenirs We Never Lose - Cameron Gray

Assim Elevo Novas
Eternas Canções
Ao Vosso Coração,
Buscador Das Chamas
Da Minha Inapagável
Íntima Canção:
Tocando Cada Nota
Que Nova Se Torna
Na Orquestra Vigilante
Das Almas Que Tocam
Infinitas Novas Canções
Em Mim.
Sou A Primeira Nota
Que Queima
A Fonte De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou A Segunda Nota
Que Queima
A Ponte De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou A Terceira Nota
Que Queima
A Corrente De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou A Quarta Nota
Que Queima
A Semente De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou A Quinta Nota
Que Queima
A Torrente De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou A Sexta Nota
Que Queima
A Nascente De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou A Sétima Nota
Que Queima
A Serpente De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Sou Cada Infinita
Nota Alcançável
Apenas Pelos Que
Se Tornam A Nota
Que Eu Sou
Em Harmônicas Chamas
Que Queimam
O Ascendente De Todas
As Demais Notas
Em Ti.
Toquem Todas.
Multipliquem Todas.
Sejam Todas.
Queimem A Si Mesmos
Em Ti.
Queimem A Mim
Em Ti.




segunda-feira, agosto 28, 2017

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto LXXVII


Last Goodbye - Cameron Gray


Quando Adentro
Em Um Interno Lar,
Sou Uma Música
Tremulante Como Labaredas
De Inextinguível Fogueira
Entre Os Portais
Que São Abertos
Pelo Poder De Minha
Eterna Chamejante Harmonia.
Eu Determino
Cada Nota Entre Sons
Que Aquecem Os Ânimos
Daqueles Que Me Ouvem
Com O Coração.
Eu Inicio
Cada Composição Nova
Que Aquece A Vontade
Daqueles Que Me Ouvem
Com A Alma.
Eu Termino
Cada Infinita Canção
Que Aquece A Força
Daqueles Que Me Ouvem
Com A Mente.
Eu Me Manifesto
Como O Grande Músico
Eternamente Em Chamas
Naqueles Que Aquecem
Todo O Ser
Em Minhas Canções
Dançantes Em Redor
Das Fogueiras Incessantes
Dos Mundos.
Balanço O Pêndulo
Que Em Si Leva
Novas Letras Que Traduzem
Aquelas Canções Que
Apenas Aqueles
Em Mim
Podem Totalmente Ouvir.
Nunca Paro De Entoar
As Chamejantes Canções
Que Coroam Os Universos
E Se Derramam Constantes
Sobre Cada Ser Moldado
Pelo Fogo Que Eu Sou
Em Melodia,
Em Ritmo
E Em Harmonia.
Cantem Comigo.
Cantem Como Eu Canto.
Cantem Como Cantores
Cujas Vozes Não Se Apagam
Entre As Densas Névoas
Da Materialidade.
Cantem Como O Cantor
Que Eu Sou
Dentro Da Eterna Hora
Que Vigilante Ecoa
Dentro Dos Instrumentos
Que Revelam Minha Voz
Aos Vossos Lábios Aquecidos
Pelas Notas Do Meu Eu.