quarta-feira, janeiro 02, 2019

Sobre Somente De Mim Vem O Fogo

The Mistery Of Ourselves - Cameron Gray

Inomináveis Saudações a todos vós, Batedores De Asas!

Aos 03 de Agosto de 2018, As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo foi concluído. Sem alarde, porque escândalos não são necessários na Inominabilidade. Sem alegria, porque a Inominabilidade não é festa humanamente constituída. Sem estampidos ou vaidade ou orgulho da parte deste Inominável Ser que vos fala, a Inominabilidade não se consagra ao pequeno mundo das humanas excrescências. Através do Inominável Ser Que Eu Sou, O Fogo Aqui Falou. Falou na forma de noventa e nove Cantos do dia 30 de Julho de 2010 até a data citada no início deste texto. Oito anos de escrita de uma obra a se desdobrar no que O Fogo me Revelou. Oito anos de versos em chamas a estarem batizados pelo Fogo, que aqui Expressou-Se. Oito anos de uma poesia que não é minha, mas do Fogo, que me Inspirou, Respirou e Aspirou.


Me tornei Chama e fui mediador entre O Fogo e o Mundo Material. Não sou o único Inspirado Pelo Fogo nesta Criação, pelo Kosmos outros poetas, artistas, profetas, oradores e os mais desconhecidos Caminhantes Do Fogo são pelo Mesmo conduzidos no Sagrado Ato Criador. Deixo para este mundo a obra que neste blog foi escrita, orientado por Asin Du An No In, a Entidade Caída que está mais próxima do Reino Divino do que muitos que se dizem “Escolhidos por Deus”. Que Deus? Qual Deus? Não é o Deus que, Internamente, é o que de Divino cada um de nós porta. Não é o Verdadeiro Deus que em nossos corações aguarda que O Convoquemos Das Trevas De Nossa Espiritual Cegueira. Não é o Deus Que Nós Somos quando extinguimos tal Cegueira e conseguimos visualizar O Fogo A Girar Nos Firmamentos De Nossas Almas. O “Deus” daqueles que mentem, roubam e enganam multidões de fiéis; que acumulam bilhões em contas bancárias corrompendo o Verbo Revelador do Trono Da Fé; que erguem templos materiais que se pretendem alcançar as estaturas dos Templos Divinos Imateriais; que discriminam, julgam e destilam ódio contra tudo aquilo que seus supostos “Livros Sagrados” dizem; esse “Deus” tão humano, limitado, medíocre e absurdo, não é O Fogo.


De cada um deles que corrompe O Verbo, O Fogo já cuidou. O Fogo, como dito em um dos Cantos desta obra, pode ser chamado também de Deus, Este sendo o da Visão Interna descrita no parágrafo anterior. Esclareço acima de tudo que Somente De Mim Vem O Fogo não é um “Livro Sagrado” que se pretende ser iniciador de alguma seita, religião ou qualquer outra humana ruptura para com a sanidade mental, espiritual e existencial desta Humanidade já tão abarrotada de horrendos hospícios que são caricaturas escandalosas da Verdadeira Espiritualidade. Este livro é, apenas, O Fogo. Este livro é, unicamente, O Ser Do Fogo. Este livro é, simples e humildemente, O Fogo Que Infinitamente Arde Nas Altas Vestimentas Reveladas Pela Inominabilidade. Através de meu Ser, Deixei O Fogo Falar. Através de meu Ser, Deixei O Fogo Agir. Através de meu Ser, Deixei O Fogo Abrir As Portas Do Meu Coração Para Que Este Possa Incendiar Outros Corações Neste Terrestre Campo Existencial.


Esta foi A Visão Inominável do Fogo que a mim chegou. Não foi a primeira. Não é a única. Não é a última.


Ouçam O Fogo nela.


O Fogo Te Ouve


Abracem O Fogo nela.


O Fogo Te Abraça


Sejam O Fogo nela.


O Fogo Que Um Dia Vós Sereis


Saudações Inomináveis a todos vós, Batedores De Asas!



sexta-feira, agosto 03, 2018

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XCIX


Waiting Bliss - Cameron Gray


Somente De Mim
Vem O Fogo
Que É A Vida Consciente
De Cada Criatura,
Que É O Respir Presente
De Cada Coisa Moldada,
Que É O Crescente Ato
De Cada Arco Retesado.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Incendeia As Chamas
Do Eterno Santuário,
Que Alimenta As Camas
Do Eterno Ser,
Que É Essência Soberana
Do Próprio Eu Imanifestado.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Se Assemelha Ao
Vento Mais Poderoso,
Que É O Tempo
Mais Permanente,
Que É A Passagem
Mais Presente.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Dou A Todos
Que Não Tem Nome,
Que Dou A Todos
Que Vão Além Dos Nomes,
Que Dou A Todos
Que Criam Seus
Verdadeiros Nomes.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Nunca É
Fagulha Apagada,
Que Sempre É
Fogo Erguido,
Que Eterno É
O Único Fogo.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Agita O Grande Mar
Da Matéria,
Que Se Agiganta Entre
As Marés Eternas,
Que Se Revela Nas
Ondas Mais Serenas.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Te Faz Ser
E Te Compõe
Como Um Ser.
Somente De Mim
Vem O Fogo
Que Somente De Ti
A Mim Compõe
Como O Ser
A Ti Revelado.
Somente De Mim
Vem O Fogo
E Nunca Me Apagarei
De Tua Alma
Nascida Do Meu
Fogo Imanifestado.




terça-feira, julho 31, 2018

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XCVIII


The Promise Of The Truth - Cameron Gray


Ancorando Em Teu Oceano
Eu Sempre Estou,
Sempre Próximo,
Sempre Presente
E Sempre Apresentando
A Minha Face
Ao Teu Interior.
Se Aproxime,
Como A Maior Das Chamas
Que De Mim Nascem,
Do Meu Interior.
Esteja Presente Em Mim
Como Aquele Que É Tudo
Que Se Direciona
De Volta Ao Meu Interior.
Apresente O Teu Ser
Em Meu Ser,
Retorne Ao Fogo Original
Que Semelhante Ao
Expandir Da Criação
Eu Sou.
Renove-Se Em Mim
A Cada Passo Teu
Na Estrada Do Retorno
Até O Renovador
Que Eu Sou.
Apoie-Se Em Mim
Ao Ultrapassar Os Muros
Que Possam Impedir-Te
De A Mim Retornar.
Abrace Cada Campo
Da Natureza Manifestada,
Onde Tu Poderás Plantar
A Árvore Que É Escada
E Cuja Ponta Guia
Ao Retorno Para O Meu
Jardim De Chamas.
Voe Pelo Firmamento
Que Tua Vontade Construir
Nos Objetivos Mundos
Da Tua Subjetiva Vontade
Em Retornar Para Mim.
Pois Sou Aquele Que
Aguarda Todo Aquele
Que Deve Retornar
Ao Que Eu Sou.
As Portas Do Meu Ser
Abertas Estão,
Minha Voz Clama Por
Cada Um Que Se Perdeu
Na Multiplicidade
Sem Mais Saber Retornar
À Unidade Que Eu Sou.
As Fagulhas Acendo
Em Tua Alma,
Acendo Em Todas
As Manifestadas Almas,
Que Retornam Ao Que Eu Sou.
Estou Aqui Te Aguardando
Como O Círculo Da Realidade
Das Chamas De Um Fogo
Que São O Meu Verdadeiro Eu
Querendo O Teu Verdadeiro Eu.




sexta-feira, julho 06, 2018

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XCVII


Ghosts Of Jatun - Cameron Gray


Na Vela Que Acender
Em Tua Peregrina Alma
De Buscador Do Meu Ser,
No Fogo Da Luz Superior
Que For Cultivar No Teu
Santuário Particular,
Deposite O Pensamento
No Quanto Eu Posso Ser
O Fogo Que No Pavio
Inapagável Fica A Arder.
Acendas Cada Vela
No Teu Altar Interior,
Ores Com Cada Fração
Da Tua Verdadeira Fé
No Teu Interior,
Como Um Gigante Galgando
Cada Centímetro Das Montanhas
Que Levam Até O Meu
Trono De Chamas.
Assopres Para Bem Longe
Toda Dúvida,
Toda Divisão,
Toda Dívida,
Toda Limitação,
Toda Eliminação,
Toda Destruição,
Toda Inércia,
Toda Brecha,
Toda Desesperança
E Todo Egoísmo.
Atraias Junto Com A Luz
Que Em Ti Arderá
Toda Certeza,
Toda Multiplicação,
Todo Pagamento,
Todo Ilimitado,
Toda Inclusão,
Toda Construção,
Todo Movimento,
Todo Fechamento,
Toda Esperança
E Todo Altruísmo.
Me Recebas Como A Chama
No Pavio De Cada Vela
Incessantemente Acesa
Dentro De Cada Caminho
Dos Teus Altares Interiores
Com Uma Oração,
Com Um Louvor
E Com Um Cântico
Dos Mais Silenciosos.
Eu Chego No Silêncio
Dos Que Se Incendeiam
Como A Humilde Força
De Uma Vela Acesa Com
O Mais Puro Amor.
Eu Sou Cada Vela Acesa
Por Aqueles Que Preenchem
Seu Interior Com Chamas
Ardentes De Alto Amor.
Fátuo Amor,
O Sopro Da Vela Em Chamas
Que Eu Sou.



quarta-feira, junho 27, 2018

As Poéticas Crônicas De Asin Du An No In - Somente De Mim Vem O Fogo - Canto XCVI


Dreams Of A Scorpion - Cameron Gray


Sou Todo O Presente
Que Se Oferece Ao Teu
Ser Voltado Para Mim
Com O Mais Sincero
Ardor Maior Autêntico
Isento Da Hipocrisia
Dos Que Não Me Interpretam
Em Verdade Concretizadora
E Espírito Revelador.
Hipócritas Seres Não Bebem
Do Inspirador Fogo
Que Se Movimenta Infinito
No Espírito Que Eu Sou.
Hipócritas Enganadores
De Mentes Que Nunca
Me Conhecerão Através Deles
Não São Incendiados
Pelas Explosivas Chamas
Do Fogo Insustentável
Do Meu Coração.
Hipócritas Que Se Dizem
Missionários Em Meu Nome
Ou Apóstolos Da Minha
Verdade Interior,
Nunca Se Realizarão
Como Correntes Da Ação
Da Minha Razão
Descendo Como Incêndios
Em Sinceros Corações.
Meus Verdadeiros Missionários,
Aqueles Que Atuam Incendiados
Pelo Fogo Do Meu Nome,
Não Se Vendem Aos Gritos
Como Fazem Os Loucos
Dos Púlpitos Enganadores.
Meus Verdadeiros Apóstolos,
Incendiados Depositários
Das Chamas Da Minha
Verdade Interior,
Não Buscam O Ouro
De Todas As Perdições
Controlando As Almas
De Perdidas Multidões.
Os Missionários Do Fogo
Que Eu Sou
Trabalham Na Quietude
Do Meu Interior.
Os Apóstolos Do Fogo
Que Eu Sou
São A Quietude
Do Meu Interior.
Eles São Os Silenciosos
Que Se Ocultam Aos Olhos
Dos Mundos Que Ainda
Não Podem Me Conhecer
Como O Fogo Que Eu Sou.
Eles Praticam As Verdades
Do Fogo Que Eu Sou.
Eles São As Verdades
Do Fogo Que Eu Sou.
Mestres Do Meu Interior.
Mestres Do Meu Exterior.
Mestres Daqueles Que
Ascendem Incendiados
Até O Fogo Que Eu Sou.